‘Machine learning’, o colaborador inteligente das empresas do futuro

Chegar à origem da informação para garantir sua veracidade é um dos principais objetivos perseguidos pela empresa Pluribus One.

A leitura vai levar 2 minutes

Battista Biggio, cofundador da Pluribus One, defende que, no futuro, só sobreviverão as empresas que se aliem a máquinas inteligentes capazes de selecionar e interpretar dados cruciais à evolução de seus negócios.

Battista Biggio entende a inovação como uma forma de vida. Ele se diz um apaixonado pela cibersegurança, pela biometria e por tecnologias como o machine learning. Este engenheiro eletrônico tenta transmitir essa paixão a seus alunos da Universidade de Cagliari (Itália), onde trabalha como professor associado. Quando pensa na realidade em que vivemos, ele identifica um grande desafio que pode ser enfrentado pelo aprendizado automático.

Battista Biggio considera que estamos caminhando à era fake, quando não poderemos acreditar em toda a informação que vemos e quando será crucial saber distinguir o dado valioso entre uma infinidade de conteúdos disponíveis. Este engenheiro afirma que, para conseguir isto, será necessária a ajuda de máquinas inteligentes: “Teremos de aplicar soluções tecnológicas distintas para certificar a informação desde o início e encontrar a fonte do dado”.

Chegar à origem da informação para garantir sua veracidade é um dos principais objetivos perseguidos pela sua empresa, a Pluribus One. E não apenas para que as empresas possam polir sua estratégia de cibersegurança, mas também para contar com a informação-chave na tomada de decisões globais das empresas.

Por isso, e para evitar que os diretores se percam navegando em um oceano de dados, Battista Biggio fundou, em 2015, esta start-up de pesquisa. A Pluribus One ajuda às empresa a crescer tendo como base estruturas seguras para navegar no futuro digital.

Para consegui-lo, ele as treina para que entendam e exprimam o potencial dos dados que administram, em suportes físicos ou on-line, as forma para identificar os riscos cibernéticos e oferece serviços de consultoria. E faz tudo isso empregando machine learning, a tecnologia que permite à sua equipe pesquisar os dados de valor para cada empresa e criar produtos e serviços comerciais personalizados e inovadores.

Graças à sua visão de mercado e experiência na pesquisa de dados, Battista Biggio participou no evento MIT Technology Review Innovation Leaders Summit, no qual refletiu sobre os riscos e tendências atuais no âmbito da cibersegurança. O encontro, acontecido em Paris, reuniu alguns dos mais destacados especialistas mundiais em matéria de inovação.

Todo projeto realizado pela Pluribus One é regido por um lema central: “O mundo do futuro só terá sentido para as máquinas que sejam capazes de reconhecer a unidade (Uno) na multiplicidade (Pluribus)”. Em outras palavras, só sobreviverão no mercado do futuro as empresas que saibam identificar o essencial no meio de uma avalanche de informações.

Com tal premissa, a start-up convida a uma reflexão pouco habitual. O modelo de negócio de êxito não passará pela acumulação de uma enorme quantidade de dados, mas pela capacidade de utilizar os que sejam realmente importantes.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Os principais desafios da Inteligência Artificial

Provavelmente, nos últimos anos, você se fez várias perguntas: as máquinas substituirão os seres humanos? Elas serão capazes de pensar, entender e agir como pessoas?