The Daily Prosper
Acción social: la importancia del voluntariado en Santander para crecer

Voluntariado e ação social: o que, como e onde

O que significa ser voluntário? De acordo com a definição da Cáritas, é alguém que “de forma contínua, desinteressada e responsável” dedica parte do seu tempo a atividades a favor de terceiros ou de interesses sociais coletivos, com projetos que tendem a “erradicar ou modificar” causas de necessidade ou marginalização social. Mas o alcance desta atividade, que nasceu no início do século XX, vai muito além de ajudar os outros. Pode ser que o primeiro favorecido acabe sendo você.


Exercer o voluntariado traz grandes benefícios para a comunidade e para o indivíduo. Comprometer-se com uma atividade junto de outros fortalece os laços com a comunidade e amplia as redes de apoio, conectando-se com pessoas que compartilham interesses, preocupações ou sensibilidades com você, e incentiva a prática e o desenvolvimento de suas habilidades sociais. Ativa a aprendizagem, permitindo que você saiba mais sobre essa atividade em que está trabalhando. O voluntário obtém novas perspectivas sobre as coisas e pode se conhecer melhor.

Segundo o documento Benefícios de ser e de ter voluntários, da Fundação Antena 3, assinado por Fernando Chacón Fuertes, ser voluntário fortalece a “defesa do eu” ajudando você a esquecer e a trabalhar os problemas pessoais. Também faz com que você se sinta importante, necessário e melhor consigo mesmo, o que aumentará sua autoestima. Em suma: desde o ponto de vista pessoal, o voluntariado é benéfico porque nos faz sentir melhor.

Além disso, o voluntariado oferece benefícios para a saúde. De acordo com o Questionário Geral de Saúde da Grã-Bretanha, que mede a saúde mental e o bem-estar – as pontuações mais baixas são consideradas mais saudáveis –, as pessoas que se voluntariaram obtiveram uma média de 10,7, enquanto as que não conseguiram um 11,4. Outro estudo, o da Associação Americana de Psicologia, mostrou que os adultos com mais de 50 anos que fazem esse tipo de trabalho são menos propensos a desenvolver hipertensão e desfrutam de um maior bem-estar.

Se você quiser se beneficiar das vantagens do voluntariado, aqui estão algumas ideias que podem servir de inspiração:

Segundo a Fundação Hazloposible, que desde 1999 desenvolve projetos para canalizar as capacidades, o talento e a vontade de milhares de pessoas às ONGs que precisam de colaboração no apoio às suas causas, as cinco profissões mais solicitadas são as seguintes:

  • Psicólogos. Desenvolvem sua carreira em centros especializados de atenção psicológica para famílias, crianças ou adolescentes, ou trabalham diretamente em seus próprios centros.
     
  • Educadores e pedagogos. Ocupam posições de atenção direta na área de educação formal, não formal e educação para o desenvolvimento.
     
  • Gerentes de projetos. Além de tarefas administrativas, têm como objetivo encontrar, propor e justificar subsídios e ajudas que dão sustentabilidade às ONGs.
     
  • Trabalhadores sociais. Profissionais dedicados ao atendimento social direto a famílias, crianças e jovens, ou a grupos que, por diferentes motivos, necessitam cuidados especiais.
     
  • Diretores de empresas/ONGs. Busca-se pessoas proativas, dinâmicas, flexíveis, altamente capacitadas e que saibam como responder diante de situações complicadas.

Além disso, as ONGs e empresas não procuram apenas perfis técnicos ou teóricos. Existem milhares de atividades nas quais qualquer pessoa que queira ajudar pode participar. Uma boa amostra de tópicos e países em que exercer o voluntariado pode ser encontrada no site voluntariosinternacionales.org. Por exemplo, existem inúmeras iniciativas relacionadas com o empoderamento das mulheres na Argentina, no Camboja, na Costa Rica ou no Equador; outras, sobre animais e vida selvagem, no Brasil, no México ou na África do Sul.

Na Espanha, o site Hacesfalta.org coloca os usuários em contato com algumas atividades curiosas e necessárias, como dar “aulas de cultura” em penitenciárias, prevenção da violência de gênero e contra a ‘LGTBIfobia’ para jovens ou passar um Natal no Marrocos ajudando as personas com uma condição social vulnerável.

Também são necessários voluntários para fazer as pessoas rirem. Victor Hugo tinha razão quando disse que “a risada é o sol que afugenta o inverno do rosto humano” e, afastando as nuvens negras, encontramos associações como Palhaços sem Fronteiras, que através do “recrutamento de artistas” visa melhorar a situação emocional das crianças que sofrem as consequências de conflitos armados, guerras ou catástrofes naturais, com shows realizados por palhaços profissionais voluntários.


Programas atuais de voluntariado

Recentemente, a América sofreu duas graves catástrofes naturais: o terremoto no México e o furacão Maria. Espontaneamente, milhares de cidadãos se propuseram a ajudar aqueles que ficaram sem nada. Em seguida, o voluntariado se organizou:

  • Voluntários México pede “solidariedade e apoio” ao que aconteceu. “Se você é de outra cidade, o ideal é apoiar desde aí, fazendo doações nos centros de cobrança ou em contas bancárias destinadas para isso. Não viaje às áreas afetadas caso não sejam solicitadas mais pessoas para ajudar”, pedem.
     
  • O site do Centro para o Desenvolvimento do Voluntariado de Porto Rico está mobilizando cidadãos para ajudar nos abrigos.
     
  • O site da Agência Federal de Gerenciamento de Emergência (FEMA) dos Estados Unidos também incentiva os cidadãos a ajudar a mitigar os danos causados pelo furacão Maria através de três métodos: doação de tempo e dinheiro, doação de bens e voluntariado .

O que é o voluntariado on-line?

Talvez alguém gostaria de se voluntariar, mas não tem tempo suficiente. Organizações – entre elas a ONU ou a Cruz Vermelha – encontraram a solução, implementando novas tecnologias e usando o voluntariado on-line. Esta modalidade permite que os cidadãos colaborem realizando uma série de tarefas, como ciberações, assessoria, informática, design etc.

Desse modo, florescem sites especializados dedicados a isso, como o Voluntariado de TIC, da Fundação BT – que utiliza as novas tecnologias como veículo para ajudar socialmente os setores menos favorecidos.


Voluntariado corporativo

Longe de se refletir em tópicos ultrapassados, as empresas são, mais do que nunca, conscientes de que têm um papel na sociedade, cada uma em seu setor, com sua dimensão, características e impacto. Através do voluntariado corporativo, elas oferecem aos seus funcionários a oportunidade de ajudar a construir um mundo mais justo, solidário e sustentável.

Para os trabalhadores, o voluntariado corporativo traz melhorias nas habilidades de liderança, comunicação e trabalho em equipe ou na inteligência emocional – segundo um estudo da Escola Superior de Administração e Direção de Empresas (ESADE), em Barcelona, 80% dos executivos que experimentaram uma experiência voluntária no terceiro mundo corroboram esse argumento.

O voluntariado corporativo também traz vantagens para a empresa: melhora o ambiente de trabalho, melhora sua imagem pública e pode contribuir para reforçar a lealdade em relação à marca. Ele também oferece novos canais de comunicação e um sentimento crescente de orgulho e pertencimento.

Um exemplo é o programa Somos Voluntários Santander, do Banco Santander. Criado em 2011, consegue que seu capital humano se envolva no desenvolvimento de atividades locais com o objetivo de melhorar o bem-estar de grupos em risco de exclusão. O voluntariado do Banco Santander está distribuído no mundo todo: nos EUA há 3.043 funcionários envolvidos em iniciativas sociais; na América Latina, 43.878; no Reino Unido, 6.778, e na Europa continental, 10,166. Os mais de 60 mil funcionários que contribuem com seus esforços nesse tipo de ação ajudaram um total de 259.866 pessoas.

Como mostram os fatos, o trabalho do Somos Voluntários Santander tem sido um grande sucesso reconhecido pelo mundo inteiro. Nesse sentido, a tarefa social foi premiada com a certificação europeia do Top Employer 2017, que laureia a excelência na gestão de pessoas das organizações, após ter alcançado o reconhecimento na Polônia, Reino Unido, Espanha, Bélgica, Holanda e Alemanha.