The Daily Prosper
Un estudio de grabación en tu 'smartphone'

Um estúdio de gravação no seu smartphone

Hoje em dia, não podemos falar em música sem um smartphone na mão para compor, ensaiar e até tocar ao vivo.


Atualmente, ninguém duvida que a indústria musical sofreu uma grande mudança na última década. O surgimento de plataformas de streaming como Spotify e o aparecimento dos smartphones nos deram acesso a um número ilimitado de canções, em qualquer ponto do mundo, com poucos cliques. Porém, essa revolução esconde uma similar, que nos espera do outro lado do espelho: a da criação musical graças aos aplicativos que fazem os clássicos estúdios de gravação perderem sua importância.

O vendaval que, no princípio dos anos 2000, a internet causou na indústria tradicional provocou uma redução nos orçamentos para gravar música: as vendas de discos minguaram drasticamente, e ainda não aprendemos a rentabilizar o potencial da internet. Os recursos para alugar um estúdio de gravação ou contratar produtores, engenheiros de som e músicos de estúdio minimizaram e hoje só estão ao alcance das grandes estrelas.

Porém, nos últimos anos, algo mudou. O começo desta década presenciou grandes artistas como Wild Nothing, Mac DeMarco ou Metronomy lançando discos gravados e mixados em seus próprios quartos graças à queda de preços da produção digital. Dando um passo à frente no mesmo método, o jovem músico Steve Lacy, que tocou em bandas como The Internet, foi indicado a um Grammy por produzir várias canções para o rapper Kendrick Lamar. A novidade é que Lacy faz todos os seus trabalhos usando apenas um iPhone.

A música é uma atividade cara: pagar aulas, comprar um instrumento, gastar em locais de ensaio, gravações etc. O smartphone permitiu que tudo isso ficasse mais barato e se transformou em um apoio indispensável a qualquer amante da criação de sons, do mais amador ao profissional mais aferrado. Os dois podem encontrar apps que facilitem enormemente seus trabalhos.
 

Aprenda a tocar em qualquer lugar

Os mais principiantes podem começar a aprender a tocar guitarra, piano ou bateria com apenas dois cliques. Os apps para aprender a tocar qualquer instrumento são inúmeros, embora muito deles estejam baseados unicamente em tutoriais do YouTube e tenham pouco valor por si mesmos. Existem alguns, como Coach Guitar (iOS) ou Yousician (Android), que vão além e oferecem uma mescla entre pedagogia e Guitar Hero, o que aumenta a motivação dos principiantes no apaixonante e tortuoso mundo de tocar um instrumento. Porém, se no princípio as duas são grátis, para ir avançando nos cursos devemos abrir a carteira e pagar pequenas quantidades pelos diferentes níveis.

Quem estiver se iniciando no solfejo terá um aliado no PDFtoMusic, que reproduz qualquer partitura em formato PDF e permite exportá-la a fim de manipulá-la em programas de edição de partituras. Também é possível encontrar ajuda no MusicPal (para iOS), que permite tirar fotos de partituras e reproduzi-las no celular. Os mais avançados no estudo da harmonia ficarão deleitados com o Escalas de Jazz (Android), que permite saber em instantes que notas podem ser tocadas sobre os acordes mais complexos.
 

Estude, estude e estude

O estudo e o ensaio estão enraizados no âmago de qualquer músico que se preze. Os apps não podem substituir as horas de estudo, mas sim aumentar a produtividade das mesmas. O iReal pro (Android) funciona como uma banda de acompanhamento para qualquer estilo que se queira ensaiar, alterando ritmos, acordes, harmonias e instrumentos. Além disso, nos permite gravar de mil maneiras diferentes e nos escutarmos para comprovar nossos avanços.

Se você canta, também tem grandes alternativas. Talvez uma das mais interessantes seja o VocalizeU, pois ajuda a melhorar a vocalização, a afinação e a técnica sem causar danos às cordas vocais nas tentativas. Você poderá gravar a si mesmo e ir comprovando sua evolução, e também poderá optar por aulas personalizadas: o app é ligado à escola de canto DS Vocology, especializada em formação à distância.

"Os apps não podem substituir as horas de estudo, mas sim aumentar a produtividade das mesmas"

"Os apps não podem substituir as horas de estudo, mas sim aumentar a produtividade das mesmas"

Além das notas de voz

Qualquer pessoa que já tenha se atrevido a compor música tem no smartphone um aliado inestimável: o gravador serve para recolher inúmeras cantorias, riffs de guitarra ou ritmos de percussão com canetas. Porém, sua função termina nesse ponto, com vários arquivos de alguns segundos com os quais não é possível fazer muita coisa.

O Bloc musical (iOS) nos permite ir além, classificar nossas composições, dar-lhes acompanhamento com instrumentos virtuais, incluir etiquetas e editar os arquivos para que possamos compartilhá-los nas diferentes plataformas. Se você prefere trabalhar com partituras, com o Notion (iOS) e o Ensemble Composer (Android) poderá escrever sinfonias completas usando o seu celular. Para quem tem ideias e não sabe como desenvolvê-las, o Chordana é um app curioso que, partindo de apenas dois compassos, pode nos ajudar a construir uma canção inteira.
 

Um estúdio portátil completo

Se existe um app que facilitou a gravação aos músicos é, sem dúvida, a GarageBand. É com esse aplicativo que o mencionado Steve Lacy grava seus discos (com um iRig para poder conectar a guitarra ou o microfone). Sua interface simples, sua capacidade de mixar e seus instrumentos virtuais se tornaram as maravilhas do “faça você mesmo” musical. Outros apps tentaram fazer algo similar no Android, como o Music Maker JAM, mas suas limitações na hora de personalizar loops o deixam um passo atrás. No campo profissional, a Avid oferece um controlador virtual de ProTools, o software de gravação mais famoso do mundo, embora não seja um app que funcione sozinho, mas como um apêndice do programa.

Existe um aplicativo móvel que o pré-configura com os parâmetros ideais para a gravação profissional de qualquer instrumento: chama-se reSonare, está disponível para iPhone e contém também um extenso guia de ajuda à gravação e a possibilidade de incluir efeitos como reverberação ou profundidade estéreo.
 

Não tenha medo do palco

Em tudo o que falamos até agora, o músico deve apenas centrar-se em si mesmo, mas o que acontece quando ele enfrenta um público? Seu smartphone também pode ser de grande ajuda nesses casos: o mencionado GarageBand também está pensado para apresentações ao vivo, podendo lançar ritmos e samplers, assim como o Ableton Live (outro standar para a informática musical aplicada às apresentações ao vivo que tem sua versão móvel).

Falando de sequenciadores e geradores de ritmos, existe uma enorme diversidade de apps que permitem jogar com sintetizadores virtuais, imitam caixas de ritmo ou oferecem tudo em um. O mais completo e admirado talvez seja o Caustic, um app muito bom, que você vai demorar a dominar e cuja versão gratuita já é bem completa. Ele programa qualquer ritmo, modula todo tipo de som, lança vários padrões de notas simultâneos ou programa várias sequências a partir de um único dispositivo: o que antes ocuparia várias malas de equipamento hoje pode ser encontrado em um único celular.
 

“Bônus track”: os DJs

Nem tudo o que existe são instrumentistas tradicionais. Os DJs também são uma realidade e o djay 2 é uma ferramenta essencial para quem quiser discotecar usando o celular. Ele se integra ao Spotify, permite controlar o tempo e as tonalidades de um tema, introduzir loops e fazer uma pré-escuta do clipe selecionado.

Se você é músico e pretende dar mais um passo na sua carreira, talvez não deva pensar em comprar um novo instrumento. Você também precisará de um bom celular para desenvolver todas as ideias que tem dentro de si e deleitar o público com suas melodias.

Por Marcos Domínguez