The Daily Prosper
Novos empregos: o mercado de trabalho daqui cinco anos

Os novos empregos: o futuro do mercado de trabalho

O surgimento de novas tecnologias e a crescente robotização da economia são os pilares em que se baseia a chamada “Quarta Revolução Industrial”, cujo desenvolvimento não só está conseguindo transformar nosso estilo de vida e a forma como nos relacionamos, mas também os processos produtivos, a maneira de consumir e, portanto, a própria dinâmica do mercado de trabalho. A inteligência artificial, a robótica, a realidade virtual, o gerenciamento e o armazenamento de dados fora do espaço físico (nuvem), a economia colaborativa, os aplicativos móveis, as redes sociais ou o comércio on-line, entre outras inovações, já fazem parte do nosso presente e sua influência, sem dúvida, será intensificada ainda mais no futuro.


Esta transformação profunda deve ser vista como uma oportunidade que precisa ser aproveitada e que, sem dúvida, vai trazer grandes vantagens e benefícios à sociedade como um todo, incluindo a grande maioria dos trabalhadores. A tecnologia não só vai aumentar a produtividade da economia, com o consequente aumento dos salários, mas também reforçar muitos outros empregos existentes, permitindo o surgimento de novos empregos que hoje em dia ainda não existem. Como resultado, serão criados muito mais empregos a médio e longo prazo.

No caso específico da Espanha, o Observatório para Análise e Desenvolvimento Econômico da Internet (Adei) calcula que vão surgir 3,2 milhões de empregos ligados à digitalização entre 2016 e 2030, e outros 600 mil com um alto componente humano pouco suscetíveis a serem substituídos pelas máquinas. Essa visão positiva sobre o futuro do trabalho não é mera especulação, uma vez que a história mostra que os avanços tecnológicos têm um impacto muito benéfico sobre a economia, em geral, e sobre o mercado de trabalho, em particular.

Os dados analisados pela Deloitte na Inglaterra e no País de Gales dos últimos 144 anos mostram que a tecnologia gerou muito mais empregos do que destruiu, devido à obsolescência de certas profissões durante as sucessivas revoluções tecnológicas que ocorreram durante esse período. Além disso, os países mais digitalizados também apresentam taxas de desemprego mais baixas que as menos robotizadas.

Essa mudança já resultou na aparição de novos trabalhos nos últimos cinco anos, desde especialista em marketing digital e administrador de redes sociais até analista de big data ou designer e desenvolvedor de aplicativos móveis, entre outras profissões relacionadas com o mundo virtual. No entanto, este é apenas o início. De acordo com o Fórum Econômico Mundial, 65% das crianças do ensino fundamental vão trabalhar em empregos que não existem hoje, enquanto que a Dell Technologies afirma que 85% dos empregos em 2030 ainda não foram criados e, portanto, serão completamente novos.

A Internet das Coisas, a impressão em 3D, a biotecnologia, o automóvel autônomo, os drones, a domótica, a agricultura urbana, o ensino digital, os órgãos artificiais, a extensão e implementação de novos serviços on-line... Tudo ainda está por ser feito. Aqui estão alguns dos trabalhos que vão surgir no futuro, de acordo com especialistas.

"Os dados analisados pela Deloitte na Inglaterra e no País de Gales dos últimos 144 anos mostram que a tecnologia gerou muito mais empregos do que destruiu"

1. Nanomédico

Os enormes avanços que a nanotecnologia experimentou vão revolucionar o mundo da medicina nos próximos anos graças ao desenvolvimento de pequenos dispositivos, de tamanho subatômico, que vão transformar completamente as técnicas de diagnóstico e a cura das doenças.

 

2. Designer de órgão

No futuro também haverá médicos especialistas em bioimpressão em 3D, que vão fazer uso da robotização, dos avanços em genética e da geração de tecidos para projetar exoesqueletos mecânicos que podem ser controlados com a mente e até mesmo órgãos artificiais, ajudando assim a reduzir as listas de transplantes.

 

3. Fazendeiro-farmacêutico

Os alimentos transgênicos transformaram completamente a agricultura, melhorando a produtividade das culturas e aumentando a resistência às pragas e às secas, mas a modificação genética das plantas também vai evoluir para a concentração de substâncias terapêuticas novas e mais elevadas nos alimentos e seus produtos, a fim de melhorar a saúde e o bem-estar dos consumidores.

 

4. Programador da Internet das Coisas

A internet não está mais confinada ao mundo virtual, ela se estende à esfera física através da interconexão de todos os tipos de dispositivos e infraestruturas que simplesmente devem ter um sensor capaz de transmitir e receber dados. As cidades e as casas do futuro estarão conectadas à rede e, portanto, este campo vai exigir um grande número de profissionais nos próximos anos, desde programadores até engenheiros, grandes analistas de dados e técnicos responsáveis pela manutenção e reparo.

 

5. Jornalista de dados

A imprensa é outro campo em que a tecnologia irrompeu com força, modificando completamente os formatos tradicionais e até mesmo o modo de atuação dos profissionais da informação, a ponto de surgirem novos perfis profissionais relacionados com o chamado jornalismo de dados. Esta disciplina consiste em oferecer ao leitor as visualizações e processamentos de dados para explicar as notícias de forma clara e compreensível e, entre outras coisas, requer a incorporação de programadores para extrair e tratar dados relevantes desde o ponto de vista da informação.

 

6. Designer de inteligência artificial

A crescente indústria da inteligência artificial, tal como no campo da robótica, vai exigir um grande volume de profissionais especializados no funcionamento do cérebro e na tecnologia necessária para replicá-lo artificialmente, abrindo um novo campo de oportunidades para programadores e engenheiros, mas também para estudantes de humanidades para que máquinas e robôs possam imitar o comportamento humano.

 

7. Advogado especialista em segurança cibernética

Com o desenvolvimento da tecnologia, surgem novos conflitos, crimes e dúvidas legais que vão exigir advogados e profissionais jurídicos especializados em comércio eletrônico, drones e segurança cibernética, entre muitos outros campos.