The Daily Prosper
E-commerce: dónde comprar y vender con un solo clic

E-commerce: onde comprar e vender com apenas um clique

A internet se transformou em um grande shopping com e-commerce de todos os tipos. Nela, os usuários têm acesso a um amplo catálogo de produtos e se beneficiam de bons descontos, mas também podem se transformar em vendedores e oferecer suas criações ao mundo.


Passagens de avião, eletrodomésticos ou jogos de tabuleiro. Na internet, podemos encontrar praticamente qualquer coisa. Os e-commerce, comércios eletrônicos de venda on-line, permitem aos usuários comprar tudo o que desejam dando apenas um clique. Graças a isso, comprar se tornou uma tarefa mais fácil e cômoda do que nunca: as lojas trazem pedidos às nossas casas,  aprimoraram os sistemas de devoluções  e nos permitem acompanhar os envios. Porém, não mudaram apenas nossos hábitos de compra, mas também deram oportunidade para que todos coloquem à venda suas criações. Nasceram plataformas que conectam vendedores principiantes com possíveis clientes espalhados pelo mundo inteiro. Você conhece todas as fórmulas para comprar on-line? E para vender?

“O e-commerce é muito mais do que uma vitrine on-line. Também é um novo sistema logístico para poder oferecer tudo o que os consumidores desejam, e supõe a implementação de diferentes métodos de pagamento para facilitar a compra. Em resumo, é uma nova forma de relação entre os negócios e os clientes”, explica José Luis Montesino-Espartero, sócio fundador da Comefruta e diretor do Programa Superior de Comércio Eletrônico do Instituto de Economia Digital do ESIC (ICEMD).

De acordo com o relatório Digital in 2017 Global Overview, elaborado pelo Hootsuite e We Are Social, 22% da população mundial compra on-line. Mas o que aconteceu para que todos comprem na Amazon, e não em lojas de departamentos? “A possibilidade de comparar preços, ter à nossa disposição um estoque muito amplo de produtos específicos e poder se informar bem antes de comprar são as principais vantagens do mundo on-line”, garante José Luis Montesino-Espartero. “As viagens, as diversões e a tecnologia lideram esse mundo. A moda, a alimentação e o lar formam uma segunda área de interesse. Também cresce a venda de conteúdo digital”, resume Paco Anes, responsável pela Mobile & New Media da IAB Spain, baseando-se no Estudo Anual de eCommerce 2017. E tais setores não se destacam apenas na Espanha, mas no resto do mundo.
 

Onde posso comprar

Ficou no passado o tempo em que a maior parte dos negócios on-line imitavam a venda tradicional por catálogo. Cada vez mais, os usuários navegam na internet utilizando seus dispositivos móveis, como smartphones ou tablets. Por isso, os negócios estão se transformando e deixaram de oferecer seus serviços apenas através de suas páginas web, oferecendo-os também via apps. A verdade é que a internet se transformou em uma espécie de shopping onde podemos encontrar negócios de todo tipo:

Marketplaces. São uma espécie de loja de lojas. Tais plataformas proporcionam espaço para que várias marcas coloquem seus produtos à venda. Amazon, Ebay, Aliexpress y Rakuten estão entre as maiores. Embora funcionem de maneira similar, existem diferenças entre elas. A Amazon, por exemplo, além de vender produtos de outras marcas, comercializa produtos próprios. No ebay, podemos encontrar produtos de particulares e empresas, e sendo usuários podemos fazer um lance pelos artigos, como se fosse um leilão. Por outro lado, na Aliexpress, que é chinesa, fornecedores chineses oferecem seus artigos a consumidores do mundo inteiro, e o portal se caracteriza pelo preço baixo dos produtos que expõe.

Clubes de vendas privadas. Proporcionam um número limitado de artigos de uma marca concreta. São uma espécie de outlets on-line, pois oferecem produtos de temporadas anteriores. Para formar parte destes clubes, basta se registrar em suas páginas de forma gratuita. A principal vantagem em relação ao resto dos portais é que temos acesso a descontos de até 80%. É bem comum ver tal fórmula sendo utilizada por firmas de moda. Showroomprive, Dreivip, Vente-Privee, Privalia e Ofertix são alguns exemplos.

Compra coletiva. Groupon, LetBonus e Groupalia são alguns dos portais mais populares entre os grupos de venda coletiva, ou vendas flash. Nestas plataformas, os negócios geram descontos segundo o número de interessados por seus produtos. As “pechinchas” podem ser de qualquer tipo: de sessões de depilação a laser até viagens, passando por refeições especiais em restaurantes.

Discovery e-commerce. Se você gosta de surpresa, ficará interessado pelos comércios que adotaram este modelo. Graças a uma assinatura semanal ou mensal, os usuários recebem um pacote de mostras da marca, mas desconhecem os produtos que a caixa contém. Esta fórmula nasceu em 2002, pela empresa de produtos de beleza Birchbox. Para seus clientes, é uma forma de descobrir produtos personalizados. Ainda é uma opção incipiente, mas que já começa a seduzir peixes grandes. É o caso da Adidas, que utilizou o modelo para lançar Avenue A, dirigido a mulheres esportistas.

E-commerce: dónde comprar vender un solo clic

E se eu quiser vender on-line?

Da mesma forma que podemos ser exímios compradores na rede, podemos passar ao outro lado, aproveitar as facilidades oferecidas por algumas plataformas e nos transformarmos em vendedores, comercializando nossas próprias criações. Não precisamos de uma marca potente nem estarmos presentes nos grandes marketplaces. Veja outras opções que, como nos casos anteriores, oferecem serviços através de suas páginas web e apps:

Feiras gigantes. Portais como Etsy nasceram para que todos pudessem apresentar suas criações ao resto do mundo. Você pode lançar sua própria loja on-line neste portal, atingindo 30,6 milhões de compradores ativos em todo o mundo. A Etsy também oferece formação para que você aprenda a comercializar suas criações e descubra as melhores formas de enviá-las aos compradores.

De segunda mão. Nem todos os objetos devem acabar sua vida útil lotando os armários das nossas casas. Plataformas de compra e venda, como a espanhola Wallapop, conectam pessoas que colocam seus objetos à venda com interessados neles. Basta incluir uma foto, um preço estimado, um bom título e uma boa descrição do produto que queremos vender. A entrega do pedido pode ser feita pessoalmente ou via Correios, graças à função “wallapop envios”. Desde a sua criação, em 2013, foram colocados à venda um milhão de produtos.

O leque de possibilidades para comprar e vender pela internet é infinito. Hoje, o desafio está em saber conectar os estabelecimentos físicos e os negócios on-line para que não exista diferença entre os dois mundos. E talvez não estejamos longe de consegui-lo. O setor da moda e dos imóveis começam a tomar a dianteira. Já existem provadores digitais e simuladores que nos permitem  saber como os móveis ficarão em nossas casas graças à realidade aumentada . “Em poucos anos, não distinguiremos entre lojas físicas e e-commerce, tudo será comércio”, destaca Paco Anes. O objetivo é criar um mundo sem limites, sem barreiras entre a vida real e on-line.

Por Alba Casilda