The Daily Prosper
Desconexión digital fuera de tu puesto de trabajo: ¿es posible?

Desconexão digital fora do seu local de trabalho: é possível?

Os avanços tecnológicos nos fizeram viver em um mundo totalmente conectado. Assim, também, somos no trabalho. Mas quando descansamos, continuamos conectados?


O celular está mudando a maneira como trabalhamos e, também, como não trabalhamos. Quantas vezes você teve que responder vários e-mails fora do horário laboral, enquanto estava no sofá? Ou atender chamadas estando de férias? Caso não saiba, a desconexão digital é um direito do trabalhador.

A Adecco fez uma pesquisa sobre um hábito cada vez mais comum. 51,5% dizem que checam o e-mail da empresa, durante as férias. Destes, metade consulta uma ou duas vezes por dia e 9,3% o fazem constantemente. Apenas 3,7% se conectam somente um pouco antes de voltar ao trabalho. 

Além disso, 60% atendem ligações. Dentro desse percentual, mais de 20% responderam a todas e 38,8% apenas às mais importantes.

Direito de desconexão

O chamado direito à desconexão digital dos trabalhadores, tem como objetivo registrar o direito a não ter que prestar atenção a questões de trabalho em períodos de descanso, férias e feriados. As regras estão descritas na nova Lei Orgânica de Proteção de Dados, aprovada no Congresso dos Deputados, em novembro.

Especificamente, o artigo contido na lei afirma que "os trabalhadores e funcionários públicos têm direito à desconexão digital, a fim de garantir, fora do tempo de trabalho legal ou convencionalmente estabelecido, o respeito ao seu tempo de descanso, licenças e férias, bem como à sua privacidade pessoal ou familiar."

A lei também enfatiza que os empregadores devem criar uma política interna para os funcionários, a fim de estabelecer tanto a maneira sobre como exercer tal direito, como treinamento e conscientização quanto ao uso criterioso de equipamentos tecnológicos, com o objetivo de evitar a fadiga digital.

Além disso, detalha que a forma de praticar esse direito é definida a partir de uma negociação coletiva, ou entre empresários e representantes dos funcionários, atendendo "à natureza e objeto da relação laboral" e "reforçando o direito de conciliação da atividade laboral com a vida pessoal e familiar ".

Antes da aprovação, durante a apresentação da nova lei, o deputado socialista Artemi Rallo disse: "Estamos bem conscientes de que existe uma realidade social em que as relações pessoais, familiares e a necessidade de conciliar o trabalho e a vida particular estão bastante afetadas pelo uso do celular e dispositivos digitais derivados das obrigações de trabalho".

Esse direito será reconhecido, juntamente com outros direitos digitais, no Estatuto dos Trabalhadores e no Estatuto Básico do Funcionário Público.

Direito à privacidade em equipamentos corporativos

O regulamento também reconhece o direito à privacidade no uso de celulares e computadores corporativos, bem como no uso de equipamentos de vigilância por vídeo e geolocalização.

O empregador pode acessar esses equipamentos, mas com alguns limites. Especificamente, apenas para controlar que o trabalhador cumpre com as obrigações trabalhistas e garantir o bom funcionamento dos mesmos.

Desconexión digital fuera de tu puesto de trabajo: ¿es posible?

Se você pode deixar para amanhã, faça-o

Aplicativos como WhatsApp ou ter o e-mail no celular fazem com que ele vibre constantemente fora do seu horário de trabalho. Se é algo que pode ser resolvido amanhã, por que atender a essas mensagens e chamadas? Uma das principais razões pelas quais não podemos nos desconectar é o sentimento de culpa por acreditar que estamos "negligenciando" o trabalho.

Além disso, ligações de colegas ou chefes ou a falta de coordenação com outros membros da organização tampouco fazem bem. Portanto, a cumplicidade das empresas é essencial.

As empresas possibilitarem a desconexão de seus funcionários, favorece seu desempenho e produtividade. Apenas 28% das empresas espanholas afirmam ter políticas de desconexão. A maioria é composta por PME. No entanto, algumas grandes já reconhecem o direito dos seus funcionários de se desconectarem. Por exemplo, o Banco Santander.

Por mais lógico que possa parecer: tempo livre é TEMPO LIVRE

A entidade, presidida por Ana Botín, elaborou várias medidas para que seus trabalhadores se desconectem fora do horário de trabalho. Eles não têm a obrigação de responder a chamadas, mensagens ou e-mails, uma vez finalizado seu dia de trabalho. 

O Banco Santander quer melhorar a qualidade de vida para melhorar a de trabalho. Respeitar as férias e o tempo de descanso é essencial para garantir o bem-estar e aumentar a produtividade.

Nova maneira de trabalhar

Devemos prestar atenção a muitos hábitos que as empresas espanholas criaram e que dificultam a conciliação do trabalho. Por exemplo, reuniões muito longas ou em horários “incômodos”. O Banco Santander está apostando mais no trabalho remoto e gradualmente abandonando a tradição presencial. Com isso, buscam flexibilidade.

Em suma, as medidas realizadas pela entidade refletem-se em uma nova visão de negócio para promover o "direito à desconexão do trabalho".