The Daily Prosper
Cozinha de fusão: manual gastronômico para misturar e acertar

Cozinha de fusão: manual gastronômico para misturar e acertar

O conceito de “cozinha de fusão” começou a ser usado nos anos 1970 nos Estados Unidos, onde os cozinheiros misturaram sabores do Oriente e do Ocidente – especialmente na fronteira do Texas com o México, criando o Tex-Mex – tentando surpreender os clientes. Desde então, esse tipo de gastronomia foi se profissionalizando, tornando-se objeto de estudo e pesquisa pelos mais prestigiados chefs, e atualmente desfruta da mais alta reputação.

A cozinha de fusão consiste em unir elementos de diferentes culturas nas suas elaborações. Os chefs que o praticam têm o objetivo de surpreender – e, como é evidente, agradar o paladar alheio. Eles devem ter um conhecimento aprofundado de várias cozinhas regionais ou contar com um grupo multiétnico para sua elaboração e, assim, combinar sabores limpos que se complementam e misturar ingredientes com certo critério.

Apreciar a cozinha de fusão é uma experiência e tanto. Para começar, se você for a um desses restaurantes, verá que os lugares geralmente têm uma decoração particular e cuidadosa: cada um é convertido em um pequeno mundo e os proprietários procuram que cada espaço seja único, especial.

Depois, você descobrirá novos sabores, cheiros e texturas, novas formas de cozinhar e, em alguns casos, poderá experimentar pratos preparados como verdadeiras obras de arte. Além disso, as porções já não são tão minimalistas e, em qualquer caso, o que abundam são os restaurantes com menus de degustação já fechados, e estes consistem em sete e 14 pratos: assim, por mais pequena que seja a quantidade de comida, é difícil sair de lá com fome.

Entre os principais tipos de cozinha de fusão estão o Cajun, Tex-Mex, Balti ou Chifa. A cozinha Nikkei, as fusões asiático-mediterrâneas ou a cozinha turco-alemã também brilham – um fato curioso: o “doner kebab”, como conhecemos, não nasceu em Istambul, e sim em Berlim.

Atualmente, o destaque fica por conta do “mash-up”, pratos em que os chefs misturam ingredientes, às vezes impossíveis, com resultados às vezes saborosos e agradáveis, às vezes gerando aberrações culinárias. Desse modo, encontramos produtos como o burguerito, que é uma fusão de hambúrguer e burrito; o cragel, que é meio croissant e meio bagel; ou o cronut, do chef de pastelaria francês radicado em Nova York, Dominique Ansel, que é uma mistura de croissant e donut.

 

É claro que a culinária de fusão é um fenômeno universal. Nas cidades mais importantes do mundo encontramos ótimos restaurantes que apostam nisso. Se você tiver uma oportunidade, visite:

Chino Latino (Londres). Oferece uma curiosa combinação de comida, como o próprio nome diz, chinesa e latina. Localizado no Park Plaza Riverbank Hotel, se você for, pode desfrutar de belas vistas sobre o rio Tâmisa.

Pinch (Moscou). Localizado no bairro residencial de Patriarshiye Prudy, oferece cozinha europeia de fusão. Se você quiser ir num fim de semana, reserve antes: está sempre cheio.

The River Cafe (Nova York). Sob a Ponte do Brooklyn, oferece umas vistas incríveis da skyline da cidade. Seu cardápio aposta na comida de fusão americana e europeia. A relação qualidade-preço é imbatível.

Tetsuya’s (Sidney). Localizado no centro da cidade australiana, combina a filosofia japonesa com a “técnica francesa clássica”. Destaque para os peixes.

Takazawa (Tokio). Oferece cozinha de fusão, japonesa e contemporânea. Os clientes destacam a simpatia e o senso de humor do serviço. Recomendamos reservar com antecedência: só há espaço para 10 clientes.

 

A Espanha também possui suas referências na cozinha de fusão, com um alto número de restaurantes que optam por esse tipo de gastronomia. Aqui estão outras cinco recomendações:

Don Quijote Madness (Madrid). Localizado na rua Duque de Sesto, destaque para sua espetacular sala de exposições do Quixote. O cardápio combina receitas locais com outras de diferentes partes do mundo.

Trivio (Cuenca). Dirigido pelo chef Jesús Segura, este restaurante oferece uma grande variedade de produtos locais, envolvidos em técnicas e abordagens asiáticas.

Mandarina Club (Peñíscola, Castellón). Seu cardápio varia de produtos regionais mediterrâneos à cozinha oriental. Desde seu terraço, podemos ver a praia, dominada por um castelo espetacular.

DiverXO (Madrid). Localizado na rua Padre Damián e dirigido pelo prestigiado chef Dabiz Muñoz, desfrutar de suas iguarias não sai barato, mas a comida é excelente e tudo é orquestrado como um show (“Xshow”, de acordo com eles).

Ronda 14 (Madrid e Avilés, Asturias). Oferece uma cozinha requintada com influências asturianas, peruanas e japonesas.

 

Para testar seu paladar e seus dotes culinários, aqui está uma receita da cozinha Chifa: frango Chi Jau Kay. Boa sorte!

Ingredientes:

- 2 peitos de frango ou coxas desossadas.

- ¼ kg de amido (de milho ou maisena).

- 4 dentes de alho.

- 1 colher de sopa de gengibre ou kion cortado bem fino.

- ½ cubo de tempero.

- 1 colher de chá de pisco ou conhaque.

- 1 colher de sopa de molho de ostra.

- 1 colher de chá de mensi.

- 1 colher de sopa de molho de soja.

- 3 cabeças de cebola verde (cebolinha chinesa).

- 1 pisca de sementes de gergelim.

- 1 xícara de caldo de galinha.

- ¼ xícara de água gelada.

- ¼ xícara de óleo vegetal.

- Sal, pimenta e açúcar a gosto.

Informação:

Preparação: 40 min.

Tempo de cocção: 20 min.

Tempo total: 60 min.

Dificuldade: Intermediária.

Estação: O ano inteiro.

Nível calórico: Médio.

Preparação:

  1. Aplane ligeiramente os pedaços de frango para conseguir uma espessura semelhante. Em um recipiente, coloque os pedaços de frango com um pouco de óleo, sal, pimenta, ½ colher de sopa de gengibre (kion), 2 dentes de alho, ½ cubo de tempero, molho de soja e mensi. Adicione o pisco e deixe repousar cerca de 30 minutos para que os sabores penetrem no frango.
  2. Cozinhe os pedaços de frango ao vapor por 5 a 10 minutos, dependendo da intensidade do vapor, até que a carne esteja cozida internamente. Retire do vapor e deixe esfriar por alguns minutos. Passe os pedaços pelo amido e depois frite-os em óleo bem quente. Retire os pedaços, escorra-os e corte em porções pequenas.
  3. Em uma frigideira separada, aqueça duas colheres de sopa de óleo, adicione a outra meia colher de sopa de gengibre, os 2 dentes de alho restantes, o molho de ostra, o caldo de galinha e deixe cozinhar por alguns minutos.Combine uma colher de sopa de amido com ¼ xícara de água fria, mexendo até que não haja grumos.
  4. Adicione o amido diluído em água na preparação com o caldo de galinha e mexa até tomar consistência e espessura. Despeje a preparação sobre o frango e adicione uma pitada de sementes de gergelim. Sirva e aproveite.

Em suma, a cozinha de fusão é uma das modalidades gastronômicas que mais tendem à surpresa, à vanguarda e à criatividade. A propagação das diferentes tendências mostra que este tipo de cozinha está viva e goza de prestígio. Não hesite em experimentá-la e desfrute de uma grande experiência sensorial.