The Daily Prosper
Como promover os talentos empreendedores desde a universidade?

Como promover os talentos empreendedores desde a universidade?

“O maior risco é não se arriscar. Em um mundo que muda muito rápido, a única estratégia em que a falha é garantida é não arriscar.” Essa frase de Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, resume o espírito que levou milhares de empreendedores ao caminho do sucesso. Para ter êxito, você precisa correr riscos, mas também é necessário ter bases sólidas que garantam um futuro promissor. Nesse sentido, a formação universitária desempenha um papel fundamental.


Na Espanha, a atividade empreendedora deu passos importantes nos últimos anos, mas os números ainda estão muito longe em comparação com outros países. De acordo com os dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), a Espanha está localizada no último vagão em termos de empreendedorismo, ao lado de países como Itália e Bulgária. Especificamente: apenas 2,6% da população adulta se atreve em embarcar em um negócio próprio. É claro que aqueles que o fazem aguentam mais do que em outros países: a taxa de sobrevivência dos novos projetos empresariais na Espanha é maior do que a registrada em lugares como França ou Itália.
 

O empreendedor espanhol é universitário

De acordo com o Mapa de Empreendedorismo 2017, publicado pela plataforma de start-ups South Summit, 82% dos empreendedores espanhóis são homens, com idades entre 25 e 44 anos. 96% desses novos empresários têm educação universitária e a grande maioria vem do campo da engenharia.

Quanto à estrutura das empresas, praticamente todas são PME com um máximo de dois ou três sócios. As áreas de negócio mais desenvolvidas são aquelas relacionadas com as novas tecnologias (fintechs, realidade aumentada etc.), saúde e entretenimento. Um fato interessante é que 48% dos empreendedores são recorrentes, ou seja, tiveram mais de um negócio.
 

Principais barreiras para o empreendedorismo

O principal obstáculo para abrir um negócio na Espanha é o medo do fracasso, e não é de admirar: de acordo com o relatório da South Summit, apenas 14% das start-ups criadas conseguem sobreviver após os primeiros dois ou três anos.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) analisou os principais obstáculos que impedem o crescimento dos negócios na Espanha. São os seguintes:

- Impostos

- Licenças e autorizações

- Falta de incentivos por parte das administrações públicas

O FMI alerta sobre a presença excessiva de microempresas na Espanha e enfatiza a necessidade de aumentar o investimento em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) para melhorar a competitividade.

¿Cómo fomentar el talento emprendedor desde la universidad?

"A Espanha está localizada no último vagão em termos de empreendedorismo, ao lado de países como Itália e Bulgária"

Formação em empreendedorismo

A superação desses problemas virá, em grande parte, do campo da formação e, sem dúvida, a universidade desempenhará um papel essencial, que na verdade já está se desenvolvendo em aspectos como a criação de novas start-ups e a promoção de iniciativas empresariais inovadoras.

Muitos empreendedores já começaram suas carreiras profissionais graças ao fato de que seus professores sabiam como detectar e reforçar aquelas aptidões especiais que transformam um aluno em um futuro profissional de sucesso.

Entre as iniciativas lançadas pelas universidades para capacitar os estudantes em empreendedorismo, podemos destacar as seguintes:

  • Programas para empreendedores: os novos programas educacionais incluem itinerários de estudo que buscam desenvolver as habilidades pessoais dos alunos e focar no campo dos negócios. O objetivo é aproveitar e fomentar as competências ou habilidades extracurriculares dos estudantes e encará-las para a realização de projetos empresariais. Praticamente todas as universidades espanholas têm programas ou serviços específicos destinados a promover o empreendedorismo. A título de exemplo, podemos citar o programa UAB-Emprèn da Universidade Autônoma de Barcelona, o gabinete Compluemprende da Universidade Complutense de Madrid, o programa Zitek da Universidade do País Basco ou o serviço Emprende da Universidade de Las Palmas de Gran Canária.
     
  • Prêmios para as melhores iniciativas: as diferentes universidades estão promovendo concursos para premiar os projetos de negócios realizados a partir do campo estudantil. Um exemplo é o Concurso de Empreendedorismo Startup Lab da Universidade Autônoma de Barcelona, que chegou agora à sua terceira edição. O concurso visa acelerar a implementação de iniciativas baseadas em tecnologia. Na edição deste ano, os participantes tiveram de resolver desafios ligados ao desenvolvimento sustentável.
     
  • Acordos de colaboração: foram estabelecidos acordos com instituições ou empresas para que os alunos realizem práticas específicas e ganhem experiência direta no mundo dos negócios. O objetivo é colocar o aluno em contato com um ambiente real o mais rápido possível. De acordo com os professores, essa é a melhor maneira de verificar o potencial dos estudantes e direcioná-los para um objetivo tangível

Impulso por parte das empresas

Também existem muitos exemplos de colaboração entre universidades e empresas para promover o empreendedorismo. O Banco Santander, através do Santander Universidades, há mais de 20 anos investe em educação e promove projetos na Espanha, México ou Brasil. Uma de suas iniciativas mais recentes é a criação de uma plataforma que conecta empreendedores e universidades ao redor do mundo e oferece suporte para o desenvolvimento de projetos. A iniciativa, chamada Santander X, permite que os estudantes acessem eventos e recursos para empreendedores. Por seu lado, as universidades podem divulgar suas chamadas, eventos ou programas de empreendedorismo na plataforma.

Além do setor bancário, existem outras áreas empresariais que têm os jovens como alvo. Um exemplo é o Programa Universidade de Iberdrola, que oferece aos alunos uma série de recursos de formação destinados a atrair talentos e fomentar a pesquisa.
 

Desafios para o futuro

O papel da universidade como impulsora de novos projetos empresariais foi um dos eixos de discussão do IV Encontro Internacional de Reitores Universia, realizado em maio, em Salamanca (Espanha).

O evento reuniu mais de 600 reitores de 26 países, representando uma comunidade educacional de 10 milhões de universitários. Os reitores destacaram a necessidade de a universidade liderar a revolução tecnológica e aplicar métodos educacionais inovadores para impulsionar o empreendedorismo entre as novas gerações. Os participantes enfatizaram a conveniência de fortalecer os laços com as empresas e incentivar os alunos a adquirir as habilidades necessárias para liderar seus próprios projetos.