The Daily Prosper
 Caráter perfeccionista? Prós e contras de buscar sempre a perfeição

Caráter perfeccionista? Prós e contras de buscar sempre a perfeição

Um perfeccionismo bem compreendido ajuda a progredir, atingir os objetivos propostos e alcançar o sucesso. Mas nunca estar satisfeito também pode causar alguns problemas em um nível pessoal e profissional, se for levado ao extremo. O segredo é encontrar o equilíbrio.


Há uma pergunta que não pode faltar em qualquer entrevista de emprego: “Na sua opinião, qual é seu principal defeito?”. E o candidato esperto, como se fosse um ato reflexo, costuma responder: “Eu sou muito perfeccionista”. Uma resposta estudada de forma antecipada que visa inverter a situação e transformar um suposto defeito em uma virtude. Porque, claro, presume-se que, para qualquer empresa, é positivo ter empregados perfeccionistas, que ficam até o final do dia a fim de garantir que um relatório esteja impecável ou que corrijam secretamente seus colegas.

Bem, talvez você deva começar a mudar essa resposta nas entrevistas de emprego, porque ser “muito perfeccionista” não é tão bom quanto parece. Pelo contrário. Se for levado ao extremo, pode ser um fardo para as empresas, uma vez que este tipo de pessoa normalmente não trabalha em equipe, provoca um clima ruim e atrasa os prazos de entrega. No terreno pessoal também podem ser produzidas situações desconfortáveis, já que o perfeccionista obsessivo muitas vezes pensa que os outros nunca estão à altura no que diz respeito à amizade ou ao amor.

No entanto, um perfeccionismo misturado com certas doses de serenidade, autoaceitação e tolerância é muito benéfico para si mesmo e para os outros. É quando se torna uma virtude – um traço necessário para progredir dia após dia, alcançar os objetivos marcados para a vida e para a autorrealização. Trata-se de não se conformar, de pensar que sempre se pode melhorar, que você não precisa se moldar, que a melhor ideia está por chegar, de querer perseguir sonhos ambiciosos...
 

O mundo pertence aos perfeccionistas

Em todas as histórias de sucesso costumamos encontrar atributos próprios de um perfeccionista, seja ao inventar algo que irá revolucionar o mundo ou ao ser o número um em um esporte. No entanto, sempre se deve manter o equilíbrio e saber quando dizer basta para que esta virtude não acabe se tornando um defeito. Portanto, a primeira coisa a ser feita é uma autoavaliação para detectar o grau de perfeccionismo. E saber que todo comportamento tem seu lado positivo e negativo:

Tentar sempre melhorar. Isso é o que permite ao perfeccionista avançar um pouco, passar do bom ao excelente. Estar ciente de que tudo sempre pode ser melhorado e que é possível repensar e ir mais além. Mas se você não sabe como estabelecer limites para esta busca constante da perfeição acaba se produzindo um efeito prejudicial: uma sensação constante de insatisfação que faz com que você nunca veja o momento de dar por finalizado um trabalho ou cumprido um objetivo.

Não aceitar os erros (seus e dos outros). O perfeccionista não pode falhar e isso faz com que ele esteja muito atento a tudo. Que revise as coisas uma e outra vez para detectar o erro mais ínfimo. E que os aponte quando os reconheça nos outros. Um atributo importante para alcançar a excelência, mas que também gera muita dor quando percebe que cometeu um erro que não pode ser remediado. Para isso não acontecer de novo, ele redobra os esforços e o tempo que dedica às coisas, entrando em um círculo vicioso.

Fazer as coisas à sua maneira. Antes de embarcar em uma viagem, ele estuda bem o guia, traça um itinerário, calcula as distâncias, faz uma lista de locais a visitar e escolhe os restaurantes onde vai comer. Tem tudo calculado nos mínimos detalhes, o que faz dele um ótimo líder, em quem as outras pessoas podem confiar. No entanto, é difícil para ele aceitar quando alguém propõe mudar os planos ou improvisar.

Ser intransigente com as regras. Para um perfeccionista, as regras estão para serem cumpridas. E isso dá a ele um alto grau de honestidade e transparência. Às vezes, porém, é difícil considerar se essas regras impostas são positivas ou negativas. Quando é ele quem as determina, às vezes ele pode ser inflexível, sem entender que também é necessária uma certa dose de tolerância e empatia.

Estar muita atento aos detalhes. A excelência normalmente está nas pequenas coisas. Um escultor medíocre pode dar forma a um lançador de disco, mas apenas o gênio é capaz de moldar cada músculo do corpo. O perfeccionista sabe disso, então ele dedica muito tempo cuidando de todos os pormenores. O problema é quando tanta exigência o impede de curtir as coisas, porque sempre encontra falhas em tudo – sem entender que a vida também é uma imperfeição.
 

Vantagens e desvantagens do perfeccionismo

Especialistas como Borja Vilaseca, autor dos livros Prazer em me conhecer e O que faria se não tivesse medo?, assegura que a busca constante pela perfeição pode acabar gerando insatisfação, já que os perfeccionistas extremos sentem uma sensação permanente de inadequação e inquietação. E apagar isso se transforma no motor de suas ações. Em um nível mais profundo e inconsciente, os especialistas explicam que a pessoa com esse caráter sente que é imperfeita e se exige muito para melhorar. Uma voz interior as julga e exige delas sempre mais.

Quando o perfeccionismo se torna uma obsessão (e, portanto, um defeito), a pessoa constrói hábitos tóxicos. Ela não sabe como delegar porque não confia em ninguém e prefere não trabalhar em equipe; precisa fingir aos outros que é perfeita; não suporta ser criticada; sempre quer impor sua maneira de ver as coisas... É muito provável que, no final, tudo seja uma questão de insegurança.

No entanto, já se viu que certo perfeccionismo pode ser muito útil para alcançar objetivos como produtividade, eficiência e excelência. Porém, ele sempre deve ser combinado com outros atributos, como tolerância, aceitação e serenidade. O segredo é o equilíbrio.
 

Conselhos para ser um perfeccionista “saudável”

Uma dose de realismo. Para escalar o Everest, antes é preciso subir montanhas muito mais baixas. É importante saber sempre as possibilidades reais de cada um e os fatores externos: tempo, recursos, objetivos, expectativas...

Imponha limites. Se você tem uma tendência a nunca estar satisfeito com o resultado, pode ser uma boa ideia definir um prazo e respeitá-lo. Ou se comprometer a revisar as coisas uma ou duas vezes no máximo.

Ceda de vez em quando. Você pode treinar este aspecto na vida cotidiana para entender que os outros também têm boas ideias. Deixe alguém escolher o restaurante, o filme do cinema ou o plano das férias. No trabalho também é importante admitir diferentes abordagens.

Comunique-se de forma positiva. Os especialistas destacam que todos nós mantemos um diálogo constante com nós mesmos e que é muito importante cuidar das palavras. O perfeccionista costuma dizer “isso não está certo” em vez de “você trabalhou arduamente”. A autoavaliação é a chave para combater a insatisfação.

Deixe caminho para o erro. Não tem porque ter pânico do erro, é ele que nos permite avançar e melhorar. Para o perfeccionista, pode ser um bom processo de aprendizagem permitir-se falhar, especialmente em coisas que não domina. Ao fazer isso, você vai ver que se equivocar de vez em quando não é tão grave assim.