The Daily Prosper
Vírus informáticos

Acabando com os mitos: como evitar os vírus informáticos

Em 2017, o vírus "WannaCry" colocou empresas importantes, em todo o mundo, sob controle e fez tremer os usuários domésticos do planeta. Ele aproveitou uma falha no Windows para realizar um ataque que desativou os dispositivos e pediu grandes somas de dinheiro em troca de sua liberação. O fato, claro, ficou conhecido em todo o planeta e questionava os sistemas de segurança na rede


Apesar disso, volta e meia são criados alarmes falsos sobre vírus que circulam pela rede. É verdade que sempre haverá risco, mas temos que trabalhar muito para acabar com as famosas fraudes.

A origem do vírus informático remonta a 1972. Em seguida, atacou o sistema operacional Tenex, presente nos computadores americanos que eram usados ​​para pesquisa e ensino. Seu nome era "Creeper" e foi criado, sem má intenção, por um engenheiro chamado Bob Thomas. O vírus circulou na Internet, sempre enviando a mesma mensagem: "Eu sou a trepadeira, me pegue se puder".

Para combatê-lo, foi criado o "Reaper", considerado o primeiro antivírus da história. Nos anos 80, os primeiros vírus maliciosos surgiram. Desde então, centenas de vírus surgiram, alguns muito agressivos. Embora seja difícil decidir qual foi o pior da história, muitos especialistas destacam o "Chernobyl". Foi criado em 1998 e atacou 60 milhões de computadores Windows e Millenium. Apagava todos os dados e não deixava o equipamento funcionar normalmente. 

 

Tipos de vírus

Um dos primeiros foi o "Rabbit", que bloqueava os dispositivos. Em seguida, apareceu "Elk Cloner", que afetou a Apple e "Brain", em equipamentos IBM. Depois disso, surgiu uma lista de vírus:

Residentes. Estão na memória do computador e alteram os arquivos quando são selecionados ou fechados.

De ação direta. Eles são instalados no diretório raiz do disco rígido e atacam quando um programa é executado.

Sobrescrevendo. Estão nos arquivos. Eles eliminam o conteúdo e os substituem por outros.

Localizado no desktop. O famoso "cluster". Eles mudam a localização dos arquivos quando tentamos acessá-los.

Vírus do sistema de inicialização. Eles atacam no momento em que o disco rígido é executado.

 

Outros tipos de vírus secundários

Trojan. Eles se escondem atrás de uma aparência inofensiva, por exemplo, um programa, e fazem com que hackers assumam o controle do seu computador para roubar dados pessoais. O mais famoso é o "Zeus", que afetou mais de três milhões de dispositivos nos EUA. 77% deles tinham o antivírus atualizado.

Worms. É um malware que se expande quando transferimos arquivos. Causa bloqueios no sistema e consome banda. O mais conhecido foi "Morris", que em 1988 afetou dezenas de milhares de computadores que tinham conexão com a Internet.

Spyware. Recompila dados do seu dispositivo e transfere para outro local. Um dos mais perigosos é o "Skygofree", que afeta os smartphones e com o qual os hackers podem controlar completamente o celular.

Adware. Rastreia a memória do seu computador para descobrir suas preferências e mostrar publicidade constantemente.

Sequestradores de navegador. Controla seu navegador e direciona para outros sites.

Vírus de e-mail. Eles aparecem quando você abre um e-mail. O mais famoso é o vírus "I LOVE YOU". Em 2000, em apenas cinco horas, infectou 10% dos computadores conectados à Internet, na época, causando danos no valor de 10 mil milhões de euros.

- Ransonware. Eles bloqueiam seu equipamento e pedem um resgate para liberá-lo.

 

Como se proteger?

O melhor é instalar um antivírus, embora o próprio sistema tenha mecanismos para se proteger. Este é o caso do Windows Defender ou do Windows Security. Existem também outros programas antivírus gratuitos, como o Avast ou o Kaspersky.

Podem parecer programas simples, mas são muito eficazes na destruição de Trojans, Worms ou Spyware. Mas temos que estar atentos às suas atualizações. Além do antivírus, existem outras opções para impedir que nossos dispositivos sejam afetados:

- Você tem que ter muito cuidado com as redes sociais. Nunca abra um arquivo sem verificar sua origem.

- Feche o site quando o navegador informar que ele não é um site seguro.

- Não aceite arquivos de quem você não conhece.

- Faça backup de seus arquivos periodicamente.

 

Lendas sobre vírus

- “Entram por e-mail”. É uma das formas, mas não a única. Também na internet, nas redes sociais.

- “Meu computador está lento. Tem um vírus! ” Não. Até pode ser, mas seu equipamento pode dar problema por outras razões, como a falta de manutenção do sistema, falhas no disco rígido etc.

- “Se eu ficar com a tela azul, eu tenho um vírus”. A tela azul geralmente aparece por causa de um software ruim, e não por um vírus.

- “As páginas pornográficas têm vírus”. Cada vez menos. A indústria pornográfica agora movimenta muito dinheiro e, cada vez mais, tem sistemas de segurança melhores.

 

As ameaças de 2018

O Instituto Nacional de Segurança Cibernética da Espanha estima que, no ano passado, houve mais de 120.000 ataques informáticos em nosso país, especialmente, a empresas. Entre os mais perigosos de 2018: Confiker, Zeus, Viari. São vírus que roubam dados e senhas bancárias.