Como saber se a sua conexão wi-fi é segura

O uso de redes wi-fi para se conectar à Internet é uma prática global e a Espanha não é uma exceção. Com um percentual superior a 66%, nosso país aparece em segundo lugar no ranking internacional. 
Por

A leitura vai levar 3 minutes

O uso de redes wi-fi para se conectar à Internet é uma prática global e a Espanha não é uma exceção. Com um percentual superior a 66%, nosso país aparece em segundo lugar no ranking internacional. Por comunidades, Navarra é a que conta com os usuários mais frequentes no uso da conexão sem fio, com um percentual superior a 80%, acima da média nacional, que fica em 76,18%. Por outro lado, os madrilenos seriam os menos experientes (59,58%).


Os ingleses são os únicos que superam o espanhol no uso dessa tecnologia, com 71,1%. Depois do Reino Unido e Espanha estão a Itália com 52,91%, a França (52%) e os Estados Unidos (49,2%).

No entanto, estima-se que a utilização deste tipo de redes irá aumentar nos próximos anos, tendo em conta que todos os campos públicos estão investindo nesse setor. A União Europeia pretende levar Internet a todo o continente instalando Wi-Fi em 8.000 municípios, com um investimento de 120 milhões de euros, até 2020.

Estamos tão acostumados a usá-lo, que uma das primeiras coisas que fazemos ao chegar a qualquer lugar, seja um hotel, um centro médico ou um restaurante, é consultar se tem wi-fi e qual é o seu código de acesso.

As redes wi-fi são seguras?

A primeira coisa que devemos fazer é distinguir uma rede sem fio segura de uma que não seja. E como fazemos isso? O diretor de Canais e Alianças da Aiuken Cybersecurity, Nestor Carriba, explica que quando tentamos acessar do nosso equipamento, ele nos informa a mensagem “rede aberta”, o que nos indica colocar nossa segurança em risco. “O aconselhável” é, de acordo com o especialista, “entrar o menos possível nessas redes e fazê-lo para coisas como ler um artigo em um site ou consultar uma página”.

O que nunca devemos fazer é visitar páginas em que precisamos inserir nossos dados. No caso de usá-los, também é aconselhável usar um sistema de criptografia (VPN).

Uma das vantagens mais importantes das redes sem fio, a instalação sem cabos, é ao mesmo tempo uma de suas principais desvantagens. Esse tipo de rede é mais fácil de hackear e, portanto, menos seguro. O cabo é, nas palavras do especialista Aiuken, uma das formas mais seguras de acessar a internet.

Cuidado com as redes falsas

O bom senso é a melhor arma para evitar cair na armadilha dos cibercriminosos. Nestor Carriba explica que, se quisermos acessar uma rede pública gratuita, devemos desconfiar de que ela possa ser falsa.

Para um cibercriminoso, não é muito complicado criar uma rede falsa, dar a ela o nome de uma rede famosa e enganar quem a acessa. Portanto, não é difícil entrarmos nessa mesma rede, sem perceber, e que nos roubem informações pessoais. Especialistas recomendam excluir dos nossos equipamentos a lista de redes Wi-Fi conhecidas.

Consequentemente, uma das regras básicas é não usar conexões que não solicitem códigos de acesso. Embora você também precise ser cauteloso com aqueles que exigem uma senha, pois um cibercriminoso pode criar um ponto de acesso a uma rede Wi-Fi falsa com o mesmo nome, de acordo com a Kaspersky Lab Spain.

E é aí que está o perigo: estaríamos enviando informações para o hacker, em vez do ponto de conexão, o que o leva a ter acesso aos nossos dados pessoais.

Da Cellnex, eles informam que ao se conectar a uma rede Wi-Fi gratuita de entidades que nos oferecem confiança (administrações locais, hotéis, shopping centers, aeroportos), as condições devem ser lidas cuidadosamente antes de aceitas. Desta forma, podemos verificar se estão cumprindo com a lei de proteção de dados.

Não deixar dados bancários

Embora pareça óbvio, é conveniente lembrar que em uma rede pública Wi-Fi não é aconselhável acessar à plataforma do seu banco. Para isso, é melhor que você use dados móveis. Se mesmo assim, você precisar fazer transações no banco online a partir de redes não seguras, os especialistas aconselham finalizar a sessão. E, caso suspeite que tenha sido vítima de uma fraude, contatar o seu banco.

Em Aiuken, insistimos para que nunca acessem nossas contas, através de redes públicas, ou o e-mail corporativo e nem façam transferências de documentos importantes ou dados médicos. “Tudo o que você considere importante, não consulte nem envie a partir de redes públicas.”

A Cellnex destaca a importância de se checar o nome da rede Wi-Fi, para confirmar que ela realmente corresponde ao que a entidade oferece. (Desta forma, vamos evitar a conexão a um wi-fi com um nome similar, criado por um fraudador, para observar nosso tráfego e capturar nossos dados).

A relevância do ‘Https’

Embora o mais importante seja não se conectar a uma rede Wi-Fi pública para acessar sua conta corrente, também é essencial usar o ‘https’, disponível para o Google Chrome e o Mozilla Firefox.

Para isso, é aconselhável verificar se na barra de endereços aparece o S. Referimo-nos ao “s” do https, além do símbolo de um cadeado. Isso significa que a conexão é criptografada. Outra alternativa é usar uma rede privada virtual ou VPN para proteger seus dados.

Em qualquer caso, a conexão Wi-Fi em casa é geralmente mais segura, principalmente, nos últimos anos. Antes, eram mais frágeis, já que os roteadores instalados pelas empresas de telecomunicações tornavam o acesso dos cibercriminosos mais fácil.

Outra boa recomendação é desconectar o wifi da sua casa quando não estiver usando, desta forma você economizará energia e protegerá seus dados.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Um aplicativo para potencializar as garagens

Homyhub, vencedor de um dos prêmios de empreendedorismo Explorer 2018 do Banco Santander, pretendia transformar o celular em um controle inteligente de garagem e conseguiu muito mais do que isso.

A mobilidade do futuro já está aqui

O futuro da mobilidade começa hoje. Em alguns poucos anos não vamos tocar um volante e, talvez, nem sequer vamos nos deslocar de carro.