Guia para escolher o “smartphone” que melhor se adapte a você


A leitura vai levar 4 minutes

Escolher um telefone que tenha tudo o que necessitamos pode ser uma tarefa complicada. Para facilitar este trabalho, analisamos diversos componentes dos smartphones e suas funções


O que se esconde por trás de uma carcaça dourada, duas câmeras traseiras e uma tela do tamanho da sua mão? A aparência física de um smartphone pode nos ajudar a escolher um telefone ou outro, mas precisamos conhecer os seus componentes para escolher o celular que melhor se adapte a cada um.

A Europa Ocidental e a China são os territórios onde smartphone tem maior penetração. Segundo dados da Statista, em 2018 foram vendidos mais de 270 milhões de telefones inteligentes na União Europeia. E falar do seu uso é algo tão diverso quanto falar dos seus donos. Existem os que procuram ser profissionais da fotografia e até os que usam seu telefone como uma extensão do escritório.

As funcionalidades do smartphone crescem ao mesmo ritmo que os aplicativos móveis, mas o próprio telefone tem suas peculiaridades. Megapixels, núcleo duplo, processador, memória RAM… Cada uma dessas palavras esconde as possibilidades de cada terminal. Revele como você usa seu smartphone e eu direi em que palavra se fixar.

Memória

Quando falamos na memória de um smartphone nos referimos à capacidade de armazenamento do dispositivo. Porém, existem várias memórias e devemos estar atentos a todas.

Memória interna

Trata-se da memória em que se armazenam aplicativos ou documentos e que vem “de fábrica” com o smartphone. No caso dos iPhone, a memória interna é toda a memória do telefone, ou seja, o único espaço disponível para guardar documentos e instalar apps. Porém, em outros smartphones, a memória interna pode ser ampliada mediante uma memória externa ou um cartão microSD.

Se você costuma fazer downloads de documentos no seu celular, sejam ingressos, passagens ou documentos para ler no seu smartphone, preste bastante atenção na memória interna do telefone que escolher, e saiba que existe a opção de ampliá-la mediante um cartão SD.

Por outro lado, se você é um amante da fotografia e utiliza vários aplicativos para retocar suas fotos, a memória deve ser suficiente para suportar seu peso. O mesmo vale se você adora videogames e quer instalar vários no seu dispositivo.

Memória SD

memória flash (que pode ser um cartão de memória micro SD, por exemplo) “aumenta o espaço para armazenar documentos, imagens e vídeos”, explica a empresa LG. Esse tipo de memória serve para aumentar a memória interna do telefone e até instalar alguns aplicativos.

Porém, se quisermos que nosso telefone se transforme em um dispositivo de armazenamento de documentos, não devemos confiar tudo no cartão microSD, já que as possibilidades não são exatamente iguais. Como comentamos, alguns aplicativos não permitem ser armazenados na memória “extra” do nosso telefone, algo que limita as funções destes cartões.

Memória RAM

Você tem pouca paciência e precisa que seu telefone responda rápido ao que pede? Então não se esqueça de observar a memória RAM na hora de escolher um smartphone. Seu nome vem da sigla em inglês para Random Access Memory (Memória de Acesso Aleatório) e trata-se de uma memória na qual podemos escrever e reescrever de maneira constante, já que os dados não são armazenados de forma permanente.

Por esse motivo, nossos arquivos não devem ser guardados na memória RAM, ou desapareceriam ao desligarmos e voltarmos a ligar o telefone.  Os especialistas em telefonia da LG nos dão um exemplo: “Um celular armazenará na memória RAM o reprodutor de música quando abrirmos o aplicativo, mas também quando clicarmos no botãHome e abrirmos a calculadora, e ambos aplicativos compartilham a mesma memória. Portanto, ao abrirmos mais aplicativos, a memória RAM vai enchendo, e quanto mais memória deste tipo o dispositivo tiver, mais rápido será o acesso a ela e mais fluidez notaremos no seu uso.”

Câmera

O aprimoramento das câmeras dos smartphones trouxe consigo a obsessão pela foto perfeita. Se você também quer ser um instagramer profissional, deve prestar atenção no que vem a seguir.

Megapixels

Não se deixe enganar: os megapixels não são tudo. O mero fato de ter mais megapixels não garante uma câmera melhor. Por quê? Poisos megapixels não estão relacionados com a qualidade da imagem, mas com o seu tamanho.

As câmeras com mais megapixels não são melhores do que as que têm menos. Elas simplesmente nos ajudam a poder ampliar uma fotografia, já que seu número de pixels é maior. Portanto, para conseguir imagens de qualidade com seu smartphone, preste atenção no resto das especificações.

Ajustes de exposição

Embora a maior parte dos telefones façam os ajustes de câmera de maneira automática, o ideal, segundo a Revista Gadget, é poder escolher a obturação, a velocidade, a sensibilidade ISO e o equilíbrio de brancos. Desta forma, você poderá adaptar sua câmera a qualquer situação e conseguir um resultado melhor.

HDR

Este sistema, o High Dynamic Range (HDR), permite eliminar altos contrastes em uma imagem. O que você pode conseguir é evitar contraluzes ou imagens queimadas e adaptar a luz mais conveniente à sua foto.

Processador

processador é uma parte fundamental do seu smartphone. Trata-se do cérebro do seu dispositivo e serve para fazer os cálculos que permitem o funcionamento do seu celular. Quanto mais potência tiver (medida em hertz) mais rápidos serão esses cálculos e de forma mais eficiente funcionará o telefone.

Núcleos

Sem dúvida, você já deve ter lido, em várias ocasiões, que um telefone tem núcleo duplo ou até mais de dois núcleos. Mas para que servem e o que são exatamente? Os núcleos são as partes nas quais se dividem um processador. Segundo a Andro4all, os núcleos dividem o trabalho do processador segundo as tarefas que pedimos ao nosso telefone.

Um smartphone é melhor se tem mais núcleos? Nem sempre. Os especialistas alertam que ter muitos núcleos diminui a duração da bateria. Além disso, a memória RAM também influi. De nada serve ter oito núcleos se a memória RAM for limitada e entorpecer o uso do telefone, deixando-o mais lento. 

Após ler este guia sobre o vocabulário dos smartphones, você deve estar preparado para comprar o telefone mais adaptado às suas necessidades. Lembre-se, os megapixels não são tudo e escolher uma boa memória interna pode resultar em uma boa economia de tempo apagando fotos ou eliminando aplicativos ao longo do tempo.

 

Por Joana Isbel, editora de MIT Technology Review en español

Você também pode gostar