Como se proteger dos riscos da Inteligência Artificial


A leitura vai levar 5 minutes

A Inteligência Artificial (IA) já entrou nas nossas casas. Muitos dos dispositivos que utilizamos diariamente nos oferecem grandes vantagens. Porém, além de facilitar as nossas vidas, a IA pode apresentar certos riscos, e é neste ponto que a ciberssegurança ganha um papel relevante.


Você liga a televisão e recebe recomendações de filmes e séries. Pretende procurar informações sobre um tema em concreto e o Google prevê sua busca. Precisa perguntar algo à sua empresa de telefonia e um operador te dirige ao departamento adequado após escutar sua voz. A Inteligência Artificial (IA) está por trás de todos esses processos. Porém, quais são os riscos de confiarmos na IA?

Um relatório recente, assinado por 26 especialistas em Inteligência Artificial procedentes de instituições como as Universidades de Cambridge e Oxford, bem como de think tanks e fundações que centram suas pesquisas na IA, garantem que, neste tipo de tecnologia, os riscos terão consequências negativas por dois motivos.

Em primeiro lugar, destaca-se a falta de conhecimento geral sobre este campo tecnológico e a vaga regulamentação existente a respeito. Em segundo lugar, o relatório assinala existir uma reticência geral em obter maior conhecimento sobre o funcionamento, os riscos e também as vantagens da IA, o que pode levar a uma legislação prematura.

Os especialistas em IA elaboraram quatro recomendações gerais para a sociedade. Entre elas, está a colaboração entre legisladores e criadores web, bem como a necessidade de centrar a pesquisa em IA no duplo uso da tecnologia: suas vantagens e seus riscos. Mas o que você, como usuário, pode fazer para se proteger dos riscos da Inteligência Artificial?

Para começar: informe-se. Conhecer as funcionalidades e os riscos da IA poderá resolver muitas das suas dúvidas sobre segurança. Escolha meios especializados e recorra a fontes confiáveis. Existe muita especulação sobre os avanços tecnológicos, e devemos escolher muito bem a nossa informação.

A Inteligência Artificial já permite que as empresas conheçam os gostos do consumidor com antecedência. Um exemplo é a assistente virtual da Amazon, Alexa, capaz de oferecer recomendações ao usuário baseadas em seus padrões de consumo. O Google, capaz de adivinhar o que vamos escrever, é outro exemplo. Porém, também existem usos ilícitos destas ferramentas e devemos conhecê-los para estarmos prevenidos. Além disso, existem múltiplas ferramentas para garantir que, mesmo conectados 24 horas ao dia, sejamos donos da nossa informação.

E-mail

“Assine a nossa newsletter para finalizar seu pedido.” Quantas vezes você já leu algo parecido ao tentar comprar pela internet? A maior parte das lojas online utilizam este tipo de formulário para guardar os dados de seus clientes e, em certas ocasiões, personalizar a experiência do usuário nas compras futuras.

10minutemail.com

Se você não quer preencher seus dados e só necessita um e-mail para poder finalizar seu pedido, sua ferramenta é o 10minutemail.com. Nesta página, você poderá criar um e-mail para se registrar em páginas nas quais não deseja guardar seus dados. Após 10 minutos (ou 20) o e-mail deixa de existir.

Conexão à internet

Gravar redes de Wi-Fi nos dispositivos é algo muito cômodo, pois fazendo isso não precisamos introduzir as senhas quando queremos nos conectar em casa ou no trabalho. Porém, esta comodidade pode se transformar em vulnerabilidade. Neste sentido, é recomendável que, de vez em quando, você apague as redes armazenadas em seu smartphone, tablet ou laptop e volte a se conectar logo depois. Desta forma, é possível evitar que seus dispositivos tentem se conectar a redes com nomes parecidos, o que poderia levá-lo a compartilhar arquivos com desconhecidos.

Também é possível proteger os dispositivos pessoais através do seu router. Alguns oferecem duas redes Wi-Fi, que você poderá usar para diferentes tipos de aparelhos. Os especialistas do Escritório de Informação sobre Direitos de Privacidade (PRC, na sua sigla em inglês) recomendam que, no caso de dispor de duas redes de Wi-Fi, conectemos os aparelhos da internet das coisas em uma delas e os dispositivos pessoais, como smartphone, laptop ou tablet, em outra.

Senha

Esqueça o “123”, sua data de aniversário ou número de telefone. Ter senhas seguras é importante para evitar que seus dispositivos sejam hackeados. Entre as opções que devemos descartar estão as que incluem nossos dados pessoais ou senhas muito curtas. Você sabia que, para uma senha de quatro dígitos, existem apenas 10.000 combinações e no caso de estabelecermos uma senha de seis as possibilidades ascendem a um milhão?

Outro conselho: não utilize a mesma senha para tudo. E como faríamos para nos lembrar de tantas senhas diferentes? Existem várias ferramentas que nos ajudam a controlar todas as nossas senhas.

LastPass

Uma opção gratuita e segura é este aplicativo disponível na AppStore, WindowsStore, BlackBerry App World e Google Play, que também pode ser utilizado em qualquer navegador. Com 13 milhões de usuários, o LastPass permite armazenar senhas em páginas da internet e redes sociais, bem como criar senhas seguras e aleatórias, para que você não perca tempo pensando em senhas longas e eficazes. Com o LastPass você garante que suas senhas sejam diferentes e complexas, e pode esquecer a necessidade de ter que lembrá-las, já que o aplicativo faz isso por você.

True Key

Os criadores do antivírus McAfee desenvolveram uma ferramenta para que você possa iniciar sessão utilizando sua impressão digital ou reconhecimento facial. Trata-se da True Key, que também funciona como gestor de senhas e permite sincronizar seus dispositivos. Esta opção criada por especialistas em segurança está disponível para ser utilizada no seu smartphone ou computador, e é gratuita.

Revisar as licenças dos aplicativos

Cada vez mais aplicativos utilizam o microfone do seu dispositivo para escutar suas conversas privadas. O Instagram, por exemplo, te mostrará anúncios relacionados ao que você escutou pelo telefone. Para evitar este tipo de situação, é importante revisar o que permitimos que os aplicativos façam quando os instalamos em nossos telefones. É fundamental conhecer o uso que os aplicativos fazem dos nossos dados para poder administrar as licenças e os acessos que damos a eles.

Se você não sabe que licenças podem afetar sua ciberssegurança, vejam três conselhos:

Elimine as etiquetas de geolocalização

Os especialistas em segurança recomendam eliminar as etiquetas de geolocalização, sobretudo quando nos conectamos em casa. Um dos motivos é que talvez não saibamos a quantas pessoas poderia chegar tal informação. Já aconteceram casos de roubos em casas enquanto seus inquilinos estavam de férias e comunicaram tal fato pelas redes sociais.

Bloqueie licenças a aplicativos relacionados

Ao entrar em alguns aplicativos, é possível que estejamos dando permissão para outros aplicativos sociais. Neste sentido, recomendamos que você revise a quais aplicativos permitiu o acesso ao seu perfil ou celular. Sabe o escândalo da Cambridge Analytica? Milhares de perfis foram arquivados após responderem uma pesquisa.

Revise os parâmetros de segurança do Facebook e do Google

Além disso, é recomendável revisar os ajustes de segurança que estabelecemos. O Facebook e o Google têm suas próprias configurações para que você possa seguir passo a passo quais são seus ajustes em matéria de segurança. Trata-se de um repasso de cada uma das páginas para melhorar sua segurança como usuário.

Como podemos ver, está nas suas mãos alterar o uso que faz da tecnologia para evitar os riscos da IA e do uso equivocado da internet. Além disso, com a ajuda de algumas ferramentas, você poderá proteger seus dispositivos e, claro, sua identidade digital.

Por Olga Rodríguez

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Robôs com consciências humanas para enganar a morte

A Bina 48 é um protótipo de robô criado com inteligência artificial, a partir do caráter de uma pessoa real, e se comporta de maneira similar a como esta pessoa faria

Os principais desafios da Inteligência Artificial

Provavelmente, nos últimos anos, você se fez várias perguntas: as máquinas substituirão os seres humanos? Elas serão capazes de pensar, entender e agir como pessoas?

Robôs maleáveis que salvam vidas e exploram o fundo do mar

Robôs maleáveis podem ser introduzidos no corpo humano para ajudar os cirurgiões durante as…