Chatbots e telefones celulares para alcançar um serviço de saúde de qualidade

A TNH Health já monitoriza ao redor de 100.000 pacientes através de uma plataforma de chatbots. Este sistema de “assistência de saúde virtual” combina Inteligência Artificial, machine learning e processamento da linguagem natural.

A leitura vai levar 1 minutes

A TNH Health já monitoriza ao redor de 100.000 pacientes através de uma plataforma de chatbots. Este sistema de “assistência de saúde virtual” combina Inteligência Artificial, machine learning e processamento da linguagem natural


“Existem 200 milhões de pessoas morando no Brasil e todo mundo tem um celular, por isso temos algo a ser feito para melhorar a saúde pública”. Esta reflexão foi o estopim de uma ideia que se tornou realidade com a TNH Health, que já monitoriza a saúde de mais de 100.000 pacientes no Brasil e que um de seus criadores, o jovem economista canadense Michael Kapps, define como uma ferramenta de “assistência de saúde virtual“.

Trata-se de uma empresa que criou uma solução inovadora no âmbito da saúde no Brasil, baseando-se em uma equipe de chatbots que melhora o atendimento de triagem da população através de breves conversas por SMS ou aplicativos de mensagens instantâneas, como WhatsApp e Facebook, presentes em quase todos os celulares. “Os bots são criados para educar e monitorar os pacientes, para enviar receitas, conselhos ou informação”, explica Michael Kapps.

Quando os pacientes relatam determinados sintomas ou problemas, um robô envia um alerta à enfermeira ou ao médico que o tratará. Deste modo, como diz o economista, é possível que “uma enfermeira monitorize 3.000 usuários ao mesmo tempo”, sejam grávidas, diabéticos ou afetados por doenças tropicais como dengue ou zika. O bot aprende e personaliza o serviço graças à combinação das tecnologias de inteligência artificial, machine learning e um sistema de processamento da linguagem natural baseada no processador Watson da IBM.

Este economista nascido na Rússia, com nacionalidade canadense e que estudou na Universidade de Harvard (Boston, EUA) ficou comovido ao saber como funciona o serviço de saúde em países emergentes, como Gana ou Brasil, onde fez trabalhos voluntários. Sua obsessão o levou de novo ao Brasil para fundar, junto com o advogado brasileiro Juliano Froehner, a TNH Health, projeto que o levaria a ganhar um dos prêmios Inovadores Menores de 35 América Latina da revista MIT Technology Review em espanhol.

Os clínicas, as grandes empresas de seguro, os serviços públicos e os hospitais que são clientes da TNH Health reúnem usuários de todos os cantos do Brasil, da selva amazônica a São Paulo, reduzindo as filas de espera nos centros de saúde. Além disso, cumprem-se as expectativas de Michael: “Acredito que a sociedade prospera quando cada indivíduo tem a liberdade de perseguir suas paixões e de passar um tempo com as pessoas que ama”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Robôs com consciências humanas para enganar a morte

A Bina 48 é um protótipo de robô criado com inteligência artificial, a partir do caráter de uma pessoa real, e se comporta de maneira similar a como esta pessoa faria

Os principais desafios da Inteligência Artificial

Provavelmente, nos últimos anos, você se fez várias perguntas: as máquinas substituirão os seres humanos? Elas serão capazes de pensar, entender e agir como pessoas?

Robôs maleáveis que salvam vidas e exploram o fundo do mar

Robôs maleáveis podem ser introduzidos no corpo humano para ajudar os cirurgiões durante as…