O futuro da educação


A leitura vai levar minutes

Os avanços na tecnologia mudaram nossa forma de educar: se antes era com giz e livros, agora usamos tablets e temos um aprendizado eletrônico. Não há dúvidas de que a maneira como aprendemos se transformou.


A sala de aula costumava estar cheia de cadeiras estridentes, mesas estreitas e quadros negros borrados. Já as de hoje, têm tecnologias por todos os lados: quadros digitais interativos, tablets e um sistema de aprendizagem digital.

O foco que se dava sobre o maestro também mudou. As “aulas invertidas” (ou flipped) dão protagonismo ao estudante, propõem debates e apresentações sobre o que os alunos aprenderam em casa.

Qualquer pessoa poderia, agora, ter uma carreira sem ter pisado em uma universidade. Como? Através de cursos online, aulas por internet e vídeos tutoriais.

A tecnologia melhora e também o acesso à educação, o que permite aos alunos aprender e compartilhar suas ideias mais além das fronteiras, continentes e, inclusive, o plante inteiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Gamificação e simulações interativas para fomentar o ensino STEM

A empresa Labster, do biotecnólogo Mads Bonde, criou uma plataforma educativa virtual baseada em aulas interativas e experiências de imersão em 3D para dinamizar o aprendizado dos alunos de carreiras técnicas e desenvolver seus talentos.

Diversidade educacional: tudo começa na escola

Nossos filhos pararam de ir às creches. Talvez continuemos usando o termo, mas agora o correto é dizer “escolas infantis”. Não é uma questão de terminologia.

Educação em casa: prós e contras da educação a distância

A educação em casa, ou homeschooling, ganha cada vez mais força nos…