Sustentável e inteligente, a mobilidade que se impõe às cidades

Gerenciar uma mobilidade que se espera ser cada vez mais sustentável e inteligente se tornou uma das prioridades de governos e empresas.

A leitura vai levar 4 minutes

É um dos grandes desafios que as cidades enfrentam atualmente. Gerenciar uma mobilidade que se espera ser cada vez mais sustentável e inteligente se tornou uma das prioridades de governos e empresas. Portanto, neste campo, o trabalho em equipe é essencial.


Um total de1 bilhão e 548 milhões de pessoas usaram transporte público na Comunidade de Madri no ano passado, de acordo com dados fornecidos pelo Consórcio Regional de Transportes. Enquanto em Barcelona, ​​de acordo com a Pesquisa sobre Mobilidade nos dias de Trabalho, foram 18,9 milhões de deslocamentos em dias úteis, em 2018.

As grandes cidades crescem rapidamente e as necessidades de transporte de seus habitantes também. Uma realidade de preocupação com o meio ambiente e com as consequências que nossas ações podem ter sobre ele e sobre a nossa própria saúde. Porque, como afirma a Comissão Europeia, a poluição do ar prejudica a saúde e o meio ambiente causando um “alto impacto econômico, encurtando a vida, aumentando os custos médicos e reduzindo a produtividade”.

Essa situação obrigou os governos locais, em todo o mundo, a tomar medidas e colocar a gestão da mobilidade urbana em um nível cada vez mais prioritário em suas agendas. Assim, o Conselho da Cidade de Londres passou a cobrar uma taxa pela circulação em uma grande área do centro da cidade. Em Nova York, se incentiva o uso da bicicleta com a criação de novas ciclovias; enquanto que, em Madri, o Madrid Central acaba de ser modificado para atender aos requisitos recebidos da Europa em termos de regulamentos quanto às emissões.

Qual o papel do transporte público?

O transporte público merece uma menção à parte. Os carros, ou pelo menos como os concebemos até agora, têm cada vez menos espaço nos centros das cidades. E é justamente por isso que a maneira como os cidadãos se deslocam está mudando. Junto ao transporte público, bicicletas, scooters e aluguel de veículos elétricos coexistem nas ruas e tudo parece indicar que essa tendência continuará a crescer.

Esse novo ecossistema urbano, motivado pelo aumento da população e pela preocupação com o meio ambiente, voltou a destacar a importância da colaboração entre governos e empresas, com um objetivo muito claro: modernizar os sistemas de transporte tornando-os cada vez mais acessíveis, eficientes e sustentáveis. Um bom exemplo disso é a iniciativa lançada pelo Consórcio Regional de Transportes da Comunidade de Madri para facilitar o pagamento de viagens com o uso do formato digital. Essa tarefa será realizada pelo Banco Santander, através do Santander España Merchant Services, subsidiária do banco que gerencia os pagamentos eletrônicos da entidade.

Dessa forma, e graças ao gateway de pagamento do Santander, os cidadãos poderão recarregar todos os cartões de transporte público do Consórcio por meios digitais. Também, poderão usar o pagamento com cartão nos pontos de atendimento ao usuário, quando comprarem seus passes de transporte público. Uma medida em sintonia com a tendência, cada vez mais difundida, de não andar com dinheiro em mãos. Nas palavras de Rubén Justel, diretor geral do Santander España Merchant Services, “esse progresso melhora a vida cotidiana dos cidadãos, pois nos próximos meses eles poderão dispensar o dinheiro em espécie e gerenciar o pagamento de suas viagens usando as novas tecnologias“.

Além da colaboração com outras organizações e empresas, o Banco Santander lançou suas próprias iniciativas sobre mobilidade sustentável

Essa iniciativa se soma a outras que estão ajudando viajantes e turistas a simplificar a viagem e a dispensar dinheiro vivo, como o caso do pagamento com cartão na EMT (Empresa Municipal de Transporte de Madri) ou nas bicicletas de BiciMad.

Facilitar a circulação de cidadãos de maneira eficiente e sustentável também é o objetivo do projeto piloto lançado pela Mastercard, em colaboração com a EMT, o Banco Santander e a startup Saffe. O projeto consiste na implementação do pagamento biométrico em ônibus na capital, uma iniciativa pioneira em toda a Europa. Dessa forma, durante os próximos meses, um grupo de usuários poderá realizar o acesso através do reconhecimento facial. Para isso, os cidadãos participantes terão apenas que baixar um aplicativo do EMT e tirar uma foto. Ao entrar no ônibus, a foto será identificada e validada por uma câmera de reconhecimento.

Após esse programa piloto, se o projeto for bem-sucedido entre os usuários e se garantir sua segurança e confiabilidade nos pagamentos, entre outros aspectos, os responsáveis pelo projeto avaliarão sua possível extensão a outras linhas.

Além disso, recentemente, o Santander Consumer Finance assinou um acordo com o BEI para disponibilizar às PME e midcaps espanholas 1 bilhão de euros, para que possam renovar suas frotas de transporte com veículos mais eficientes e ecológicos, inclusive com a opção de fazê-lo por leasing.

Banco Santander, um passo mais em seu compromisso com o meio ambiente

Além da colaboração com outras organizações e empresas, o Banco Santander lançou suas próprias iniciativas sobre mobilidade sustentável, como outro exemplo de seu compromisso com o meio ambiente e o combate às mudanças climáticas. O banco lançou um serviço piloto de carsharing elétrico para seus trabalhadores em Madri, através da Bansacar, empresa de renting de carros da entidade.

Com este sistema, se pretende facilitar a mobilidade dos funcionários, ajudando-os a reduzir os custos de manutenção ou de seguro dos seus próprios carros, ao mesmo tempo que se espera reduzir as emissões de CO2. Esses carros não poluentes têm serviço de manutenção incluído, seguro contra todos os riscos, assistência na estrada e até limpeza semanal. Tudo isso com um objetivo claro: envolver os funcionários nas políticas implementadas pela empresa para alcançar maior eficiência energética, dentro do seu Plano de Eficiência Energética e Sustentabilidade para o período 2019-2021.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Alimentos processados com ingredientes naturais

Enrique González utiliza desperdícios de produtos naturais para criar compostos de alimentos processados com qualidades mais saudáveis que os habituais.

Como as empresas medem seu impacto ambiental?

Atualmente consumimos mais recursos e produzimos mais resíduos do que a capacidade da Terra de assimilá-los.