Ajudar a quem mais precisa, desde o escritório

O compromisso do Banco Santander com o progresso da sociedade em que atua cruza fronteiras, com mais de seis milhões de pessoas atendidas nos últimos quatro anos.

A leitura vai levar 5 minutes

O mundo precisa de nós. O ambiente em que vivemos nos intima a colaborar para conquistar a verdadeira igualdade de oportunidades para todos, um caminho ainda longo a percorrer.


Essa é uma mensagem que parece ir conquistando espaço. Somos cada vez mais solidários, ou pelo menos, os dados assim o revelam. De acordo com o Relatório ‘Ação Voluntária 2018’, elaborado pela Plataforma do Voluntariado da Espanha e pelo Observatório do Voluntariado, em 2018, cerca de 42% da população espanhola afirmou ter colaborado com algumas ONGs, em comparação com 37% no ano anterior. Um número que vem crescendo significativamente desde 2014, quando esse percentual ficou em 30,2%. Um aumento que reflete que estamos cada vez mais envolvidos com o progresso da sociedade e com a conquista de um futuro inclusivo e sustentável.

Dentro dessa área, as empresas têm muito a dizer. De uma posição privilegiada, possuem uma capacidade inimaginável de mudar o mundo. Portanto, ciente do poder de influenciar e melhorar a sociedade, o voluntariado corporativo se tornou a melhor ferramenta para promover o crescimento inclusivo e sustentável da sociedade atendendo às necessidades atuais sem comprometer os recursos e possibilidades das gerações futuras.

Empresas e funcionários cada vez mais sensibilizados

Para cumprir esse compromisso, as empresas investem um importante esforço econômico e humano no apoio àspessoas em risco de exclusão social. É o caso do Banco Santander que, em seu compromisso com o progresso da sociedade, possui um programa de voluntariado corporativo no qual, somente no ano passado, participaram mais de 66.000 funcionários, dedicando mais de 130.000 horas e ajudando mais de 360.000 pessoas.

Por mercados, os latino-americanos lideraram esse compromisso, com 45.108 funcionários envolvidos, seguidos pelo Reino Unido, Europa Continental e Estados Unidos, com 10.303, 7.276 e 3.930 funcionários, respectivamente. Para Mónica Torres, diretora de cultura, comprometimento e experiência dos funcionários do Banco Santander, “o voluntariado é uma peça fundamental que compõe o compromisso da empresa”. “Queremos ser um banco mais simples, mais pessoal e justo com nossos clientes, acionistas e com a sociedade em que vivemos. Os voluntários do Santander nos ajudam a cumprir nossa missão de contribuir para o progresso da sociedade”, acrescenta.

Segundo o Observatório do Voluntariado, as atividades mais demandadas são as relacionadas à infância e à juventude, seguidas pelos deficientes físicos e pelos idosos. Além disso, no caso do Banco Santander, as iniciativas se concentram em três focos fundamentais:

  • Educação financeira de crianças em idade escolar, jovens e grupos.
  • Apoio na prevenção do abandono escolar.
  • Apoio na inserção no mercado de trabalhode grupos em risco de exclusão social, como pessoas com deficiência física ou mulheres vítimas de violência de gênero.

Para a entidade presidida por Ana Botín, o compromisso empresarial vai mais além das contribuições econômicas. As empresas não buscam mais apenas criar uma imagem positiva perante a sociedade, mas gerar confiança entre clientes e funcionários e promover o sentimento de pertencimento. É uma maneira de envolver o trabalhador, dentro de sua filosofia “Best Place to Work“, com a qual se pretende criar um ambiente de trabalho agradável, conciliadordiversificado e inclusivo. Precisamente, o aumento do orgulho de pertencimento e do compromisso dos funcionários é uma das vantagens do voluntariado corporativo, juntamente com a contribuição para a mudança da sociedade e a promoção das relações entre os trabalhadores.

Programa de voluntariado corporativo: um ano de sucesso

Foi no ano passado quando o Banco Santander lançou o programa de voluntariado profissional, no seu centro corporativo, em Boadilla del Monte (Madri), como uma evolução do que já havia começado em 2011. Um programa, também chamado pro-bono, focado em colocar a serviço do Terceiro Setor o ativo mais importante e valioso da entidade: o talento dos seus profissionais para contribuir com os projetos e a conquista dos objetivos dessas organizações.

Voluntariado

Durante seu primeiro ano de operação, o programa teve mais de 2.000 voluntários, que conseguiram ajudar diretamente mais de 14.000 pessoas, através de programas de educação financeira, mentoring e coaching para grupos em risco de exclusão. O objetivo era impedir o abandono escolare melhorar a sua empregabilidade. Para Elena Leal, chefe de voluntariado corporativo do Santander, “esse programa oferece a oportunidade de nos desenvolvermos e aprendermos, de nos tirarmos da zona de conforto, de fazer crescer nosso compromisso, nossa satisfação e nos sentirmos úteis para sociedade“.

O compromisso do Banco Santander com o progresso da sociedade e das comunidades em que atua cruza fronteiras, com mais de seis milhões de pessoas atendidas, nos últimos quatro anos

Entre todas as organizações com as quais o Banco Santander colabora, destaca-se a Fundação Valora, uma organização pioneira, especializada na coleta de excedentes de empresas e indivíduos (móveis, livros, roupas …) para posterior distribuição entre ONGs e outros tipos de entidades sociais. Durante esse ano, a colaboração conjunta beneficiou mais de 9.250 pessoas e 51 entidades, entre as quais a Cruz Vermelha Espanhola, a Caritas, a AECC ou a Associação de Famílias numerosas de Madri. Ainda, coletou mais de 3.600 quilos de roupas, 68 equipamentos de informática, 577 peças de móveis e 520 obras clássicas e gráficas.

Além disso, a Fundação Valora foi responsável pela gestão das feiras solidárias organizadas por ocasião da ‘Semana Somos Santander’, realizada em junho passado, que arrecadou um total de 5.443,32 euros a serem destinados à Fundação Dalma, Fundação Calpau, Fundação Capacis, Fundação Afanias, Fundação Prolibertas e Fundação Querer.

Para o futuro, o plano desse programa é crescer e fortalecer seu compromisso com as organizações com as quais colabora ao longo do ano.

No ano passado, Santander Espanha contou com mais de 3.300 funcionários que dedicaram mais de 21.000 horas a diferentes projetos com o objetivo de contribuir para o progresso das pessoas. Entre eles, destacam-se o Santander Natura, o Finanças para Mortais ou a campanha “2 bilhões de quilômetros” com a ACNUR em prol dos refugiados. Todo esse trabalho levou a entidade a ser reconhecida como “Empresa Comprometida” nos 60 anos do Manos Unidas, em função da sua colaboração com a missão da organização, traduzida em apoio e acompanhamento das atividades de sensibilização e cooperação para o seu desenvolvimento.

Um compromisso global

O compromisso do Banco Santander com o progresso da sociedade e das comunidades em que atua cruza fronteiras, com mais de seis milhões de pessoas atendidas, nos últimos quatro anos.

Uma boa prova disso é o número significativo de iniciativas relacionadas ao voluntariado corporativo em andamento em países como Brasil, Reino Unido, México e Portugal. Na Argentina, por exemplo, os funcionários da entidade concentram seus esforços na promoção da educação financeira e na melhoria da empregabilidade, por meio de programas como ‘Rede de Educadores Financeiros’ ou sua colaboração com o Centro Educacional Pensar. Os funcionários do Uruguai também contribuem para esse compromisso global do Banco Santander com ações focadas na promoção da educação financeira. Nesse país, mais de 70% dos trabalhadores participaram de atividades voluntárias corporativas.

No Chile, no ano passado, mais de 1.200 funcionários colaboraram em benefício da comunidade, com atenção especial a crianças, jovens e idosos em risco de exclusão social, por meio de organizações como “Um Teto para Chile” ou a Fundação Belén Educa. Enquanto isso, nos Estados Unidos, as iniciativas voluntárias corporativas são divididas em duas áreas principais: Educação Financeira e Bem-Estar Social.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Serviços bancários inclusivos: como a tecnologia está eliminando o hiato

Ter acesso a serviços financeiros eficaz é crucial para o desenvolvimento econômico, além de ser um elemento importante nos esforços para erradicar a pobreza. 

Apoio econômico, fundamental para a pesquisa oncológica

A Fundação Intheos ajudou a começar projetos de pesquisa, até mesmo em nível europeu, como, por exemplo, um voltado para tumores cerebrais em crianças, no Hospital Niño Jesús.

Inclusão financeira, a chave para o desenvolvimento

É impossível ter desenvolvimento econômico enquanto houver pessoas sem acesso a serviços financeiros eficientes.