A desconhecida faceta do trabalhador: voluntariado corporativo

Cada vez mais empresas respondem às demandas sociais e concentram suas atividades na geração de um impacto positivo no meio ambiente e na sociedade.

A leitura vai levar 2 minutes

Cada vez mais empresas respondem às demandas sociais e concentram suas atividades na geração de um impacto positivo no meio ambiente e na sociedade. Nesse sentido, a atitude e a consciência social de seus funcionários são seu principal patrimônio.


Não há dúvida de que a forma de atuar das empresas mudou nos últimos anos. Conscientes de que têm de devolver à sociedade uma parte do que ela dá, tentam responder às suas demandas, que agora são nada mais que adotar uma política de ação responsável focada na preservação do meio ambiente e na melhoria da vida das pessoas.

Quando se fala em empresas, incluem-se seus trabalhadores, que hoje em dia também exigem políticas ativas e responsáveis ​​para contribuir com o progresso de todos.

Nesse contexto, nasceu uma nova cultura empresarial que coloca o foco, entre outras coisas, no voluntariado corporativo. Esses programas têm origem na mudança de atitude do trabalhador atual. Aqueles que aderem o fazem com novos objetivos e vontade de se sentir parte de um ambiente comprometido com causas sociais e ambientais. Ir ao local de trabalho, cumprir com suas obrigações e ir embora não é mais o único propósito.

Por esse motivo, as empresas lançam diferentes iniciativas para envolver seus funcionários em projetos sociais. Um virtuoso círculo de colaboração é formado e em que todos ganham. A empresa impacta positivamente a sociedade, melhora a vida das pessoas e ganha a confiança dos seus clientes e cidadãos. Já entre os funcionários, cria-se um sentimento de orgulho e pertencimento que se traduz na certeza de que eles estão em um bom lugar para trabalhar.

Na Espanha, existem muitas iniciativas desse tipo e a boa notícia é que mais e mais empresas estão se mobilizando. Por exemplo, desde 2011, o Banco Santander promove o voluntariado corporativo.

No ano passado, mais de 60.000 funcionários da entidade, em todo o mundo, participaram desses programas com o fim de contribuir com o progresso social e melhorar a vida das pessoas.

Somente na sede corporativa do Grupo Santander, a Cidade Financeira de Madri, mais de 2.000 profissionais aderiram a projetos voluntários focados, sobretudo, em educação financeira, mentoring e coaching dos grupos mais vulneráveis ​​em risco de exclusão, com o objetivo de reduzir o abandono escolar ou melhorar sua empregabilidade, entre outras coisas. No total, eles ajudaram mais de 14.000 pessoas.

Em outros países onde o Banco Santander opera, os funcionários também estão envolvidos em diferentes iniciativas relacionadas à educação, meio ambiente e construção de moradias sociais.

Por outro lado, a entidade deu mais um passo em 2018 e lançou programas de voluntariado profissional como uma evolução do programa de voluntariado corporativo, iniciado em 2011. Desde então, vem avançando em iniciativas de alto impacto interno e externo, buscando multiplicar a ajuda a mais pessoas, através de uma melhoria na gestão das ONGs.

Esse tipo de iniciativa de ação social, entre outras coisas, levou o Banco Santander a ser reconhecido como a entidade mais sustentável do mundo, de acordo com o Dow Jones Sustainability World Index 2019. É também a segunda vez consecutiva que a entidade presidida por Ana Botín é líder na Europa e a nona entre os bancos espanhóis.

Desenvolvimento sustentável é um compromisso com o crescimento econômico ,progresso social, acesso à educação, empreendedorismo social, empregabilidade e bem-estar das comunidades. Em resumo, é um conceito muito mais amplo que o Banco Santander soube entender.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Serviços bancários inclusivos: como a tecnologia está eliminando o hiato

Ter acesso a serviços financeiros eficaz é crucial para o desenvolvimento econômico, além de ser um elemento importante nos esforços para erradicar a pobreza. 

Apoio econômico, fundamental para a pesquisa oncológica

A Fundação Intheos ajudou a começar projetos de pesquisa, até mesmo em nível europeu, como, por exemplo, um voltado para tumores cerebrais em crianças, no Hospital Niño Jesús.

Inclusão financeira, a chave para o desenvolvimento

É impossível ter desenvolvimento econômico enquanto houver pessoas sem acesso a serviços financeiros eficientes.